12 militantes da Al-Qaeda morrem em ofensiva militar da Mauritânia

País lançou operação contra rede extremista após detectar comboio de militantes na fronteira com o Mali

Efe,

18 de setembro de 2010 | 20h01

NUAKCHOT- A Mauritânia reforçou neste sábado, 18, com aviões de combate a maior ofensiva lançada pelo país contra a Al-Qaeda no Magreb Islâmico (AQMI), que resultou na morte de doze suspeitos insurgentes e seis soldados mauritanos até agora.

 

Veja também:

especialEspecial: As franquias da Al-Qaeda

 

Segundo o balanço provisório da incursão iniciada na sexta próximo a fronteira com o Mali, há dezenas de feridos da rede terrorista e outros nove do Exército mauritano.

 

O Ministério mauritano de Defesa afirmou hoje em um comunicado que a ofensiva tem como objetivo evitar um ataque da organização extremista, que não cita diretamente.

 

"Há dias nossas Forças Armadas detectaram um grupo de terroristas a bordo de uma caravana de veículos armados que se deslocava até nossa fronteira com o Mali com o objetivo evidente de atacar uma de nossas posições", explica a nota.

 

O texto acrescenta que o Exército antecipou "suas intenções criminosas" e interceptou o grupo na sexta à tarde, mas que "os terroristas fugiram" de madrugada.

 

Trata-se do segundo ataque contra a AQMI empreendido pela Mauritânia, após o realizado com apoio da França em julho passado, que terminou com a morte de sete militantes. Em represália, o grupo executou um francês que havia sequestrado.

 

O último combate contra a Al-Qaeda ocorre pouco depois do sequestro na quarta de cinco franceses e dois sul africanos no Níger, pelo qual a rede terrorista é suspeita.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.