15 mil pedem paz entre turcos e curdos

Cerca de 15 mil pessoas promoveram hoje uma passeata na maior cidade do sudeste turco para pedir paz entre o governo da Turquia e os rebeldes curdos, classificados como terroristas pelo governo. A manifestação foi uma das maiores dos últimos anos e elevou a tensão na fronteira com o Iraque.Nos últimos dias franco-atiradores (o governo acredita serem rebeldes curdos) promoveram ataques contra policiais. O último incidente aconteceu no domingo, quando um franco-atirador matou um policial e feriu outros dois em um ataque na cidade de Diyarbakir. A polícia matou um dos atiradores.O proscrito Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), agora intitulando-se Kadek, suspendeu um cessar-fogo unilateral de quatro anos e anunciou que o partido só continuará buscando a paz se o governo decidir por uma trégua. "Caberá ao governo turco decidir pela paz ou pela guerra", segundo declaração divulgada pela agência de notícias Mesopotamian, baseada na Alemanha.O governo turco descarta negociar com os rebeldes, que tentam, de acordo com autoridades, dividir o país em linhas étnicas. Os rebeldes curdos lutaram por 15 anos antes de declarar, em 1999, um cessar-fogo. Aproximadamente, 37 mil pessoas já morreram nos embates.

Agencia Estado,

01 de setembro de 2003 | 18h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.