1.500 ingleses vão integrar força de paz

A Grã-Bretanha vai enviar 1.500 soldados para a força de paz internacional no Afeganistão, anunciou, nesta quarta-feira, o secretário de Defesa, Geoff Hoon.Falando na Casa dos Comuns, Hoon informou que Londres se ofereceu formalmente para liderar a força em uma carta enviada ao secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan. De acordo com o secretário, tal liderança terá a duração de três meses. Depois deste prazo, será transferida a outro país.Em seu discurso aos deputados, Honn reconheceu que as tropas entrarão em um "ambiente difícil, cheio de desafios e, às vezes, perigoso". Segundo ele, as atividades dos soldados britânicos vão ficar limitadas a Cabul e áreas vizinhas.O secretário britânico afirmou que a força de segurança internacional, que será comandada pelo major-general John McColl, será formada por 3.000 a 5000 soldados. Segundo Honn, sua composição exata deve ser decidida nos próximos dias.Nesta quarta-feira, conselheiros militares dos 17 países que até agora ofereceram tropas encontraram-se em Londres para discutir os detalhes da composição da força.O envio de tropas de paz depende ainda da aprovação da ONU, que, segundo diplomatas, deve formalizar-se nesta quinta. De acordo com Honn, nenhum grupo internacional de segurança deve ir para o Afeganistão antes do próximo dia 28.Nesta terça-feira, o Ministério da Defesa da Grã-Bretanha informou que cerca de 200 fuzileiros navais britânicos devem estar nas ruas de Cabul no próximo sábado, quando o novo governo interino afegão assume o poder.A França já anunciou que enviará 800 soldados para as forças multinacionais, e a Espanha ofereceu 700 soldados. Holanda, Alemanha e Itália devem contribuir significativamente.Argentina, Austrália, Nova Zelândia, Canadá, Turquia, Jordânia, Dinamarca, Malásia e República Checa também estão participando do encontro de conselheiros militares em Londres, assim como os Estados Unidos, que não devem enviar soldados para a força de paz.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.