16 mortos no atentado em Israel

Dezesseis pessoas morreram e 45 ficaram feridas, na explosão de um carro-bomba junto a um ônibus, no Norte de Israel. O fogo da explosão engoliu o ônibus, e os dois veículos foram reduzidos a esqueletos de metal. As chamas intensas impediram o socorro imediato às vítimas. O atentado ocorreu a quilômetros da cidade costeira de Hadera.?Um carro cheio de explosivos estacionou junto ao ônibus e estourou?, disse Zelig Feiner, porta-voz do serviço de resgate Zaka. ?Então o ônibus irrompeu em chamas. Muitas pessoas ficaram presas a bordo?. Ele disse que treze pessoas foram mortas, número que provavelmente inclui um ou dois terroristas que estariam dentro do carro. Um policial, Danny Kuffer, estimou o número de mortos em dez, ?mas ainda estamos contando?.O movimento Jihad Islâmica assumiu a autoria do atentado, segundo mensagem enviada por fax à Associated Press. O ataque foi, segundo o grupo, cometido em ?retaliação à série de massacres cometida pelo inimigo criminoso contra nosso povo?. O texto cita as operações israelenses recentes na Faixa de Gaza e na Cisjordânia.Após outros atentados recentes, o governo israelense tem ordenado ataques militares e ações de segurança em áreas palestinas. Israel não informou qual será a resposta à explosão de hoje. Mark Sofer, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores israelense, disse que o ataque deve ter tido como objetivo minar a visita do secretário-assistente de Estado dos EUA, William Burns, que tem chegada prevista a Israel para a quarta-feira. ?Grupos palestinos aproveitaram-se da oportunidade para executar ainda outro ataque assassino dentro de Israel e tendo como alvo civis inocentes?.Yasser Arafat, o presidente da Autoridade Palestina, declarou: ?Vocês sabem que a posição da liderança palestina é contrária a tais ataques que vitimam civis, israelenses ou palestinos?. Israel declara que considera Arafat como o responsável, em última instância, pelos atos terroristas, argumentando que as forças de segurança palestinas não se esforçam para evitar os ataques.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.