Nati Hamik/AP
Nati Hamik/AP

1.600 voluntários democratas contra um aplicativo: o resumo do fiasco em Iowa

Prévias democratas foram marcadas por confusão e atraso na divulgação dos resultados; explicação foi de 'inconsistências' na forma de cada zona eleitoral reportar números

Sydney Ember and Reid J. Epstein / The New York Times, O Estado de S.Paulo

04 de fevereiro de 2020 | 16h13

DES MOINES - Eles são uma mistura de veteranos de campanha e novatos políticos comprometidos com um complexo sistema do Partido Democrata que desafia os princípios mais aceitos nas eleições representativas. Eles são mais de 1.600 e são os voluntários em quem o Partido Democrata de Iowa confia para garantir que o processo eleitoral transcorra sem problemas e os resultados sejam relatados com precisão.

Com pranchetas na mão, ajudam a contar os participantes, registram e enviam os resultados. Muitos são aposentados e cuidam de eventos como esse há anos. Mas, na noite da segunda-feira 3, em Iowa, toda essa experiência se deparou com um aplicativo para smartphone que os voluntários não usavam ou não conseguiam acessar. E uma linha telefônica que os deixava em espera por horas. 

Como parte de um conjunto de reformas após as eleições de 2016, o Partido Democrata de Iowa introduziu o novo aplicativo para facilitar os relatórios na noite do caucus. Mas havia um problema com a inovação: a maioria das pessoas não a usava. 

De acordo com mais de uma dúzia de funcionários do partido em Iowa, presidentes de condados e voluntários, muitos líderes ignoraram o pedido de baixar o aplicativo antes da noite do caucus. Os que o fizeram consideraram o processo de instalação muito complicado.

O que se seguiu foi um colapso épico do sistema precário em que Iowa se apoia há décadas para tabular os resultados de uma disputa eleitoral amplamente analógica. Sarah Truitt, copresidente dos Democratas do Condado de Clarke, reclamou das dificuldades do aplicativo. "Eu tenho pessoas de 75 anos (na equipe)'", disse ela. "Foram muitas coisas novas para aprender. Nem todo mundo é um garoto universitário de 20 anos". 

"Nós, de Iowa, levamos isso tão a sério", disse Sue Body, secretária do distrito de Clarke. “Para chegar a esse ponto e fazer com que o Estado pareça tão ruim em todo o processo. Tudo funcionou, exceto o fim", lamentou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.