Reuters
Reuters

20 dissidentes que comemoravam Nobel da paz para chinês são detidos

Segundo advogado de direitos humanos, grupos estavam reunidos em bares quando foram presos

Efe,

08 de outubro de 2010 | 17h15

PEQUIM- Pelo menos 20 dissidentes chineses que tinham se reunido em diferentes partes de Pequim para comemorar o Nobel da Paz concedido ao ativista Liu Xiaobo foram detidos, informou nesta sexta-feira, 8, à Efe o advogado Teng Biao.

 

Veja também:

linkObama pede a China que liberte dissidente vencedor do Nobel

linkNobel da paz para dissidente irrita Pequim

linkEsposa de vencedor do prêmio pede sua libertação

link  Líderes pedem libertação de ativista

lista Perfil: Liu Xiaobo, ativista chinês

 

Segundo o advogado de direitos humanos, as detenções aconteceram depois das 17h (hora local, quando se conheceu na China a decisão de Oslo) em diversas regiões de Pequim, e pequenos grupos de ativistas estavam reunidos em bares e restaurantes para celebrar a concessão do prêmio a Liu.

 

"Eles estavam se preparando para comemorar o Nobel por volta das cinco da tarde, iam se reunir com amigos em diferentes pontos da cidade", quando foram detidos, declarou Biao em conversa por telefone.

 

Ao mesmo tempo, nesta mesma tarde o Ministério de Assuntos Exteriores chinês chamou o embaixador norueguês em Pequim, Svein Ole Saether, para consultas, segundo confirmaram à Efe fontes ligadas ao encontro.

 

A embaixada da Noruega em Pequim está desviando as consultas dos jornalistas sobre este novo conflito diplomático a seu governo em Oslo.

 

Funcionários da Chancelaria chinesa expressaram a Saether a insatisfação de seu governo e o risco que correm as relações bilaterais entre ambos os países pela concessão do prêmio a Liu, que desde dezembro de 2009 cumpre pena de 11 anos de prisão por ter redigido um manifesto político pedindo democracia em seu país.

 

O embaixador informou que transferiria a preocupação de Pequim a seu governo e que esperava que as relações entre China e Noruega não ficassem prejudicadas.

 

Nos últimos meses Pequim ameaçou Oslo sobre a concessão do prêmio a Liu, o que, se acontecesse, acarretaria problemas em suas relações bilaterais e na assinatura de um acordo entre ambos os países no setor de petróleo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.