AFP PHOTO / Thomas B. Shea
AFP PHOTO / Thomas B. Shea

30 mil devem ficar desabrigados em Houston após inundações causadas pela tempestade Harvey

Autoridades temem que a situação se agrave nos próximos dias, com o escoamento da água do interior do Estado do Texas para as áreas costeiras

O Estado de S.Paulo

28 Agosto 2017 | 11h34

HOUSTON, EUA - A cidade americana de Houston, que sofre inundações sem precedentes provocadas pela tempestade tropical Harvey, que tem previsão "incerta" para os próximos dias, espera atender mais de 30 mil desabrigados e se encontra isolada nesta segunda-feira, 28. Até o momento, o fenômeno matou cinco pessoas. 

A Agência Federal de Gestão de Emergências (Fema) espera atender pelo menos 30 mil desabrigados em razão das inundações, afirmou o diretor da agência, Brock Long, em uma entrevista coletiva em Washington.

"Esta missão de refúgio será uma tarefa muito pesada. Esperamos que mais de 30 mil pessoas sejam levadas para abrigos temporários", indicou Long. "Buscamos reforçar as operações de busca e resgate em uma zona muito ampla, de mais de 30 ou 50 condados que foram impactados no Texas por Harvey", completou.

Os dois principais aeroportos da quarta maior cidade dos EUA suspenderam todos os voos comerciais e dois hospitais foram obrigados a transferir os pacientes. Um canal de televisão ficou fora do ar em consequência da tempestade.

Além disso, o presidente dos EUA, Donald Trump, que pretende visitar o Texas na terça-feira, declarou emergência no Estado da Louisiana, que também sofre com as fortes chuvas da tempestade Harvey.

A declaração de emergência permite ao governo federal destinar recursos e coordenar a ajuda por meio da Fema. "Esta ação ajudará a aliviar a adversidade e o sofrimento que esta emergência tem provocado à população local", afirmou a Casa Branca em um comunicado. "Especificamente a Fema está autorizada a identificar, mobilizar e proporcionar a seu critério a equipe e os recursos necessários para aliviar os impactos de emergência.”

Situação grave

Os serviços de emergência pediram aos moradores que sigam para as partes elevadas da cidade ou permaneçam nos telhados das residências para permitir os resgates por helicópteros.

A emissora ABC 13 de Houston exibiu imagens de um pai com seu filho de seis anos, cada um com uma mochila nas costas, subindo em uma cesta lançada de um helicóptero em direção ao segundo andar de uma casa.

As autoridades temem que a situação se agrave nos próximos dias, com o escoamento da água do interior do Estado do Texas para as localidades na costa. "A situação é grave e vai piorar", afirmou o governador Greg Abbott ao canal Fox News. Ele disse ainda que os danos causados chegam a milhões de dólares.

Resgates

O juiz Ed Emmett, à frente do condado ao qual pertence Houston, afirmou que tropas da Guarda Nacional foram mobilizadas para ajudar nos resgates. Além disso, 20 helicópteros e botes foram preparados para auxiliar as equipes de emergência.

Com os serviços oficiais no limite em função do nível do desastre, a tarefa depende em alguns momentos de um exército de voluntários. Alguns formam correntes humanas, enquanto outros utilizam suas lanchas motorizadas para levar as pessoas de áreas inundadas para zonas seguras.

Um voluntário afirmou ao canal KTRK TV que há muitas pessoas que precisam de transporte e poucas embarcações. As chuvas torrenciais alagaram as principais avenidas de Houston e dificultaram a saída dos moradores da região.

"É uma loucura ver como as ruas pelas quais você passa todos os dias estão completamente debaixo de água", afirmou John Travis, morador da cidade.

Previsão

O diretor do Serviço Nacional de Meteorologia (NWS), Louis Uccellini, afirmou que a previsão para Harvey é "incerta". Ele "está criando sua própria circulação, por isso o prognóstico de sua trajetória continua sendo difícil para nós. Temos de prestar muita atenção em como avança".

No momento, a meteorologia espera que o Harvey siga para leste nos próximos cinco dias, até o limite entre os Estados do Texas e Louisiana. O Centro Nacional de Furacões (NHC) classificou as inundações de Houston como "sem precedentes" e informou que a tempestade deve seguir para o Golfo do México, antes de retornar no meio da semana, provocando mais chuvas.

Nesta segunda-feira, a tempestade permanecia praticamente estacionada, com um leve movimento para o sudeste de apenas 6 km/h, de acordo com o NHC.

A costa texana concentra quase um terço do refino de petróleo dos EUA e o Golfo do México representa 20% da produção do país. De acordo com informações divulgadas no sábado, 112 plataformas, que representam 25% da produção diária de petróleo e gás, foram esvaziadas.

A ExxonMobil anunciou no domingo a suspensão das atividades no polo petroquímico de Baytown, um dos maiores do mundo, por "problemas operacionais" provocados pelas inundações. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.