35% da riqueza da Rússia pertence a 110 pessoas

Uma taxa impressionante de 35% da riqueza das famílias na Rússia pertence a apenas 110 pessoas, o maior nível de desigualdade no mundo, com exceção de algumas pequenas ilhas do Caribe, segundo um relatório do Credit Suisse.

AE, Agência Estado

10 de outubro de 2013 | 05h52

Por outro lado, bilionários em todo o mundo totalizam apenas 1% a 2% da riqueza total, disse o Credit Suisse em seu relatório publicado nesta quarta-feira. A Rússia tem um bilionário para cada US$ 11 bilhões em riqueza, enquanto no resto do mundo, há um para cada US$ 170 bilhões.

A queda do comunismo levou a venda de valiosos ativos da Rússia a um pequeno círculo de homens de negócios, mais tarde conhecidos como oligarcas. O presidente Vladimir Putin permitia que eles mantivessem a riqueza em troca de sua lealdade política.

Segundo o Credit Suisse, com o desaparecimento da União Soviética, havia esperanças que a Rússia iria se transformar em uma economia altamente qualificada, com justa distribuição da riqueza, mas "isso é quase uma paródia do que aconteceu na prática".

A taxa de 35% da riqueza que bilionários russos possuem é equivalente a US$ 420 bilhões. "A Rússia tem o maior nível de desigualdade de riqueza no mundo, fora pequenas nações do Caribe, com bilionários residentes", disse o banco no relatório. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
rússiariqueza

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.