40 mil acompanham nomeação de cardeais

Cerca de 40 mil pessoas, inclusive 150 brasileiros, assistiram hoje na praça de São Pedro em Roma à cerimônia de criação de 44 novos cardeais- cargo máximo da hierarquia católica depois do papa. Entre eles d. Geraldo Majella Agnelo, arcebispo de Salvador e d. Cláudio Hummes arcebispo de São Paulo. O dia ensolarado destacou a cor vermelha, característica dos "príncipes da igreja",no oitavo consistório de Karol Wojtyla, o papa que mais criou cardeais na historia.Atualmente o colégio cardinalício é formado por 184 purpurados - representando 61países, 135 dos quais com direito a eleger o futuro pontífice. Desses, 125 foramnomeados por João Paulo II.O papa iniciou a cerimônia, suntuosa mas carregada de emoção, citando um por um osnomes dos novos cardeais, seguido por aplausos e até torcida dos fieis na praça. Emnome de todos, o primeiro da lista- o italiano prefeito para a congregação dosbispos Giovanni Battista Re, agradeceu o pontífice pela nomeação.O ponto alto do rito, acompanhado por centenas de jornalistas do mundo todo etransmitido ao vivo via satélite para vários países, foi a entrega do barretevermelho - símbolo do compromisso que os novos cardeais assumem de dedicação à igrejae ao papa até ao derramamento de sangue em defesa da fé, se for necessário.Ajoelhados diante do santo padre os cardeais juraram fidelidade, receberam o barretee a bula com a nomeação. No final abraçaram e beijaram o pontífice."Vocês são os primeiros cardeais do novo milênio", disse João Paulo II- levementeresfriado, em sua homilia. "O mundo é cada vez mais complexo e mutável e a igrejadeve preparar-se para enfrentar os desafios de um planeta globalizado", afirmou osanto padre que pediu aos novos purpurados que juntos "soltem as velas da místicanave da igreja para que ela possa ganhar mar aberto e levar ao mundo sua mensagem desalvação.""Não é um titulo pessoal mas um título para a igreja de Salvador e para o Brasilcomo sede primazial", disse ao Estado o cardeal Geraldo Majella Agnelo, comentandosua nomeação, ainda emocionado com a cerimônia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.