41% dos franceses julgam "positivo" o papel da extrema esquerda

Uma pesquisa do grupo IFOP publicada peloJornal de Dimanche surpreendeu os meios políticos com arevelação de que 22% dos franceses que nunca votaram a favor daextrema esquerda na França não excluem essa possibilidade naseleições regionais e européias de 2004. Hoje chamada "a outraesquerda", em grande parte de origem trotskista, ela exclui qualquer cooperação com os partidos da esquerda tradicional, nãoapenas o PS e os verdes, mas também os comunistas. A pesquisa revela que 41% dos franceses estimam que "aextrema esquerda desempenha um papel positivo no debatepolítico". Apesar desses números, 79% do eleitorado francês rejeita, de formacontundente, acordos eleitorais entre a direita e a extremadireita, e mesmo entre a esquerda clássica e a "outraesquerda" (71%). Isso confirma o pacto republicano que permitiu a reeleição dopresidente Jacques Chirac com 82% dos votos da esquerda e dadireita clássicas contra a extrema direita lepenista. Essa pesquisa contribuiu para dopar o entusiasmo dosmilitantes esquerdistas que hoje participaram do encerramento,em Saint Denis, do congresso da Liga Comunista Revolucionária,LCR, o partido cujo principal cacique continua sendo o antigodirigente trotskista Alain Krivine. Ele foi o responsável pelolançamento do atual porta-voz do partido, um jovem de 27 anos,Olivier Besancenot, funcionário dos correios e ex-candidato àpresidência da República em 2002, tendo reunido uma votaçãosignificativa, 5% dos votos no primeiro turno. Nesse Congresso, os trotskistas franceses decidiram unir suasforças nas próximas eleições e anunciaram listas comuns decandidatos com a outra facção trotskista, Luta Operária, cujoporta-voz é a conhecida Arlette Laguiller, eterna candidata dopartido à presidência da República. Os dois partidos da mesmaorigem obtiveram no primeiro turno das eleições presidenciaisquase 10% dos votos, contribuindo para a derrota do candidatosocialista, por coincidência também um ex-trotskista, oex-primeiro ministro Lionel Jospin.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.