445 detidos e 7 policiais feridos no 11/9 do Chile

Um total de 445 detidos e sete policiais feridos, quatro deles a bala, foi o saldo das violentas manifestações ocorridas na quarta-feira à noite em 11 bairros de Santiago, em repúdio ao golpe militar de 11 de setembro de 1973. Os incidentes se sucederam até a madrugada desta quinta-feira, com a intervenção da polícia atirando bombas de gás lacrimogêneo e jatos d´água contra barricadas, lançamentos de pedras, fogueiras e disparos de armas efetuados pelos manifestantes. Duas bombas feriram um civil. Houve corte de energia elétrica, que só voltou na manhã de hoje. A polícia também efetuou prisões de jovens que saquearam algumas casas comerciais. Os distúrbios ocorreram em regiões da periferia de Santiago, onde também os manifestantes exigiram "pedágio" dos motoristas que circulavam por esses bairros. As primeiras detenções ocorreram no final da tarde, no centro de Santiago, durante uma manifestação na qual 3.000 pessoas, convocadas pelo Grupo de Detidos Desaparecidos, promoveram uma homenagem às vítimas de violações de direitos humanos ocorridos após o golpe militar liderado, em 11 de setembro de 1973, pelo ex-ditador Augusto Pinochet. Pinochet, de 86 anos, e que governou até 1990 após depor opresidente constitucionalmente eleito Salvador Allende, passou odia do aniversário do golpe em sua casa de campo de Bucalemu, a140 km a oeste de Santiago, segundo informou a imprensa. Mas os incidentes não ocorreram apenas entre os que protestavam contra o golpe de Estado e a polícia, mas também entre militantes comunistas e socialistas que trocaram socos e pontapés diante do palácio do governo enquanto prestavam homenagem a Allende, morto naquele mesmo dia na sede governamental.Os episódios se repetiram também em algumas cidades da província de Santiago e, segundo informações provenientes de Temuco, dez estudantes foram detidos - entre eles, Simón Tuma, filho de um deputado socialista. Hoje, quando todos os detidos serão colocados à disposição dos tribunais de justiça, onde poderão recuperar a liberdade, Santiago retornou à tranqüilidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.