45 pessoas já foram libertadas por seqüestradores

Dois rebeldes chechenos portando facas e dizendo ter uma bomba seqüestaram nesta quinta-feira um Tupolev da companhia russa Vnukovo Airlines, com 174 pessoas a bordo, que ia de Istambul para Moscou, e obrigaram o piloto a desviar o aparelho para o aeroporto de Medina, na Arábia Saudita. Pelo menos 45 já deixaram o avião. Quatro horas após a chegada a Medina, e depois de intensas negociações com as autoridades sauditas, os dois homens libertaram todas as mulheres, as crianças, os idosos e um ferido. As autoridades locais não sabiam dizer exatamente quantas haviam sido libertadas e a Agência de Notícias Saudita informou mais tarde que 15 pessoas haviam conseguido escapar do aparelho pela porta dos fundos. Nas primeiras horas de sexta-feira, pelo horário local, a televisão local informou que 45 pessoas haviam deixado a aeronave, mas não soube dizer ao certo quantos fugiram e quantos foram libertados. As imagens mostravam mulheres e crianças a bordo de um ônibus próximo ao avião sendo levadas a um prédio dentro do aeroporto para comer e beber. A maioria parecia bem, com algumas pessoas até sorrindo. Uma mulher secava desesperadamente suas lágrimas com um lenço.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.