461 mulheres mortas neste ano no Paquistão, "em defesa da honra"

Pelo menos 461 mulheres paquistanesas foram assassinadas, neste ano, por membros de suas famílias nos chamados casos de "assassinatos em defesa da honra", destinados a castigar uma conduta considerada imoral, disse nesta quarta-feira um grupo de defesa dos direitos humanos. A Comissão de Direitos Humanos do Paquistão, que não é ligada ao governo, disse que os números deste ano - que cresceram em relação aos de 2001, quando foram divulgados 372 assassinatos por questões de honra - mostram que as mulheres paquistanesas necessitam de maior proteção. "Os crimes contra as mulheres continuaram aumentando neste ano", disse à Associated Press Kamla Hayat, alto funcionário da comissão de direitos humanos. As cifras de 2002 e o total de 2001 provêm de duas províncias, Punjab e Sindh, disse Hayat. A maioria dos assassinatos é perpetrada por maridos, pais, irmãos e filhos para proteger "a honra da família". Segundo os dados da comissão, dos 161 casos de mulheres assassinadas por essa razão no estado de Punjab, 67 foram mortas por seus irmãos, 49 por seus maridos e as demais, por outros membros da família. Em sete casos, as mulheres foram assassinadas por seus próprios filhos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.