500 mil protestam em Hong Kong contra lei anti-subversão

Mais de 500 mil pessoas se manifestaram nesta terça-feira nas ruas de Hong Kong contra um projeto de lei anti-subversão que poderia reduzir as liberdades de expressão no território autônomo chinês. Os organizadores da marcha disseram que a manifestação de hoje - que obscureceu as comemorações oficiais em homenagem ao 6º aniversário da entrega de Hong Kong à China pela Grã-Bretanha em 1º de julho de 1997 - foi a maior ali realizada desde o protesto contra a repressão aos estudantes na Praça da Paz Celestial em Pequim em 1989, quando um milhão de pessoas saíram às ruas. Vestidos de preto e exibindo cartazes, os manifestantes ocuparam as principais artérias da cidade. O cálculo de 100 mil pessoas foi feito pelo organizador da marcha, Richard Tsoi. O projeto de lei de segurança nacional de Hong Kong, que deve ser aprovado nos próximos dias, proibirá a subversão, traição, perturbação da ordem pública e outros delitos contra o Estado, e dará à polícia maiores poderes para evitar esses delitos, punindo alguns deles com até a prisão perpétua. A preocupação dos críticos da lei é a de que as autoridades comunistas decidam aplicar contra os dissidentes de Hong Kong o mesmo pulso firme usado na China continental, embora o governo local insista em que tal temor é infundado e que as liberdades constitucionais não serão afetadas. Para comemorar o retorno da soberania chinesa sobre a ilha, ao som de uma banda militar tocando música marcial, vários helicópteros desfraldaram as bandeiras da China e de Hong Kong, em pressença do primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, e do diretor-executivo de Hong Kong, Tung Chee-hwa. Wen assegurou aos presentes que Pequim cumprirá sua promessa de permitir uma autonomia considerável à ex-colônia britânica, com a manutenção do acordo sobre ?um governo, dois sistemas?. Em meio aos pacíficos cidadãos, um grupo de ativistas, enfrentando a polícia, queimava bandeiras do Partido Comunista chinês e pedia o fim do monopólio do partido na China continental.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.