60 esquadrões de bombardeio da RAF estão de sobreaviso

O Ministério de Defesa britânico pôs de sobreaviso 60 esquadrões de bombardeiros da Real Força Aérea (RAF) para partida de emergência em direção ao Golfo Pérsico, em preparação a um eventual ataque ao Iraque, disseram fontes militares. Os aviões, armados com arsenais de grande precisão e potência, poderão seguir nas próximas horas para a região. Ainda esta semana o ministro da Defesa, Geof Hoon, irá ao Parlamento para anunciar o envio dos esquadrões.A maior força-tarefa anfíbia formada pela Grã-Bretanha emduas décadas - desde a guerra das Malvinas - reuniu-se hoje emChipre antes de seguir em direção ao Golfo. A frota é formadapor 15 navios de guerra, liderados pelo porta-aviões HMS ArkRoyal. Um porta-voz informou que ela ficará na ilha ao menos uma semana para exercícios.Ao mesmo tempo em que EUA e Grã-Bretanha concentram tropas no Golfo, o governo americano intensifica os contatos para obtenção de apoio de países vizinhos. De acordo com o diárioInternational Herald Tribune, os EUA estariam dispostos a oferecer à Turquia - país que atravessa grave crise econômica -cerca de US$ 4 bilhões em "indenizações" por sua participaçãono ataque."Se a Turquia nos ajuda, queremos auxiliá-la a enfrentar asconseqüências econômicas por seu papel na guerra", disse umfuncionário americano ao jornal. A oferta foi recusada pelolíder do governista Partido do Desenvolvimento e Justiça (AKP),Recip Tayyip Erdogan, que a considerou "inadequada" pararesolver os problemas causados por um conflito. Ele se opõe àintervenção militar no Iraque. Os americanos querem usar suasbases militares na Turquia para desfechar o ataque.No Kuwait, um soldado do Exército kuwaitiano apontou ontemsua arma para dois britânicos que integram a Missão deObservação da ONU na fronteira do país com o Iraque, depoisdisse uma frase em árabe, riu e foi embora, informou umporta-voz da organização. O incidente ocorreu menos de umasemana depois de um militante islâmico kuwaitiano ter matado um civil americano e ferido outro numa estrada do país.De modo geral, os kuwaitianos nutrem simpatia pelosbritânicos e americanos, por terem liderado a coalizão queexpulsou os iraquianos do Kuwait, na Guerra do Golfo. No entanto o país se tornou a principal base das forças dos EUA eGrã-Bretanha, o que está provocando crescente sentimentoantiamericano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.