800 mil libaneses despedem-se de Gemayel

Centenas de milhares de libaneses reuniram-se nesta quinta-feira para despedirem-se do jovem líder cristão maronita assassinado na terça-feira em Beirute. A manifestação reuniu centenas de milhares de pessoas na Praça dos Mártires, em frente à catedral de São Jorge, em Beirute, para onde seu corpo foi levado. Segundo a polícia, 800 mil pessoas compareceram ao evento. Aliados anti-Síria de Pierre Gemayel buscaram transformar a cerimônia numa demonstração de força contra seus opositores, liderados pelo grupo xiita pró-iraniano Hezbollah. Participantes das procissões fúnebres acusavam a Síria de participação no assassinato. Damasco condenou o crime e nega qualquer tipo de envolvimento na ação. Parte da ira era dirigida ao presidente Émile Lahoud, um político pró-síria. Simpatizantes de Gemayel exigiam sua remoção, e os participantes também criticaram o Hezbollah. Por sua vez, o grupo islâmico acusou os grupos anti-Síria de tentarem lucrar politicamente com o assassinato, mas assegurou que suspenderá atos previamente programados como parte de uma disputa pelo poder no Líbano até que os ânimos se acalmem. Duas horas antes do início dos funerais e da chegada do caixão contendo o corpo de Gemayel, dezenas de milhares de pessoas estavam reunidas na Praça dos Mártires, região central de Beirute, enquanto familiares e dignitários preparavam-se para uma missa numa catedral próxima. Homens, mulheres e crianças exibiam bandeiras libanesas. Alguns mostravam pôsteres com a foto de Gemayel acompanhadas de inscrições como "Queremos viver" e "À espera de justiça". Gemayel, de 34 anos, foi assassinado em uma emboscada na terça-feira, no momento em que saía de uma igreja a bordo de seu carro. Ele é o terceiro político anti-Síria assassinado no Líbano ao longo dos últimos dois anos. O crime acirrou a tensão no país em um momento no qual ocorre uma perigoso disputa pelo poder. Os xiitas são apoiados pela Síria e pelo Irã. O governo e sua base de apoio cristã e sunita têm apoio dos Estados Unidos e do Ocidente. Enquanto alguns simpatizantes de Gemayel exigiam vingança contra a Síria e seus aliados, o pai de Gemayel, um ex-presidente, e a Igreja Maronita pediam calma para que se evitasse uma nova eclosão de violência nesta nação multiétnica de 4 milhões de habitantes.

Agencia Estado,

23 Novembro 2006 | 10h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.