86 vítimas de acidente aéreo na Espanha são identificadas

Ministro afirma que alguns dos 154 mortos no aeroporto de Barajas podem não ser reconhecidos por DNA

Agência Estado e Associated Press,

25 de agosto de 2008 | 09h07

Oitenta e seis das 154 pessoas mortas no desastre aéreo da semana passada em Madri já foram identificadas e é possível que a identidade das demais vítimas possa ser confirmada nos próximos dias, disse nesta segunda-feira, 25, o ministro de Interior da Espanha, Alfredo Pérez Rubalcaba. O trabalho de identificação transcorre ininterruptamente, assegurou o ministro em entrevista concedida à emissora de rádio Cadena Ser. No entanto, ele não descarta a possibilidade de alguns dos cadáveres não serem identificados.   Veja também: ''Combinação de falhas'' derrubou aeronave Assista ao vídeo  Especial: Como foi o acidente na Espanha Os corpos de diversas vítimas da queda do MD-82 da companhia aérea Spanair, na quarta-feira da semana passada, ficaram irreconhecíveis por causa do fogo no interior da aeronave e médicos forenses estudam amostras genéticas na tentativa de identificá-los. De acordo com Rubalcaba, o trabalho de identificação tem demorado mais do que o esperado por causa da extrema deterioração de alguns corpos e pela dificuldade em conseguir amostras de DNA de familiares de vítimas estrangeiras. Uma das vítimas, por exemplo, era um menor de idade adotado em outro país.Rubalcaba enfatizou que o processo de identificação vem sendo conduzido com extremo cuidado em meio a temores de possíveis erros. A questão da identificação é delicada na Espanha por causa de problemas ocorridos em maio de 2003. Um contingente de 62 soldados espanhóis regressava do Afeganistão quando o avião no qual viajavam caiu na Turquia. Uma série de erros ocorrida durante o processo de identificação fez com que diversas famílias recebessem os restos mortais equivocados.

Tudo o que sabemos sobre:
Espanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.