900.000 galinhas com gripe avícola podem infectar o Vietnã

Os temores sobre uma crise da gripe avícola pioraram, hoje, quando o Vietnã admitiu que perto de 900.000 galinhas possivelmente infectadas com o vírus mortal foram vendidas. Ao mesmo tempo, especialistas internacionais lutam para desenvolver uma vacina.As notícias que aves potencialmente doentes foram vendidas no Vietnã antes que fosse determinado o extermínio em massa provocou mais preocupações entre os agentes internacionais de saúde.?Havia cerca de 900.000 galinhas que os granjeiros venderam vivas no mercado, no início de janeiro, principalmente de Long Na e Tien Giang?, disse Nguyen Van Thong, diretor do departamento veterinário do Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural do Vietnã referindo-se às duas províncias que foram atingidas mais fortemente pela epidemia.?Não temos a menor idéia se essas galinhas foram mortas e comidas ou foram destruídas?, acrescentou Nguyen. ?Isto coloca a ameaça de a doença espalhar-se.?A gripe avícola devastou granjas na Ásia e matou cinco pessoas, todas no Vietnã, e milhões de galinhas. Empenhando-se para conter a epidemia, governos nervosos proibiram importação de aves de outros países afetados pela doenças. Outros ordenaram uma matança em massa de galinhas. A China continental, que não registrou nenhum caso da gripe avícola, promete aumentar a vigilância em suas fronteiras com o Vietnã.A Organização Mundial da Saúde disse, hoje, que está trabalhando em uma nova vacina para proteger as pessoas do vírus, que atingiu criações de aves, numa ?epidemia historicamente sem precedentes?, no Vietnã, Coréia do Sul e Japão. E expressou ?preocupação crescente? com o fato de já se ter cinco mortes humanas.?Isto é resposta à ameaça que vemos e à ameaça que ainda tentamos avaliar?, disse Bob Dietz, porta-voz da OMS em Hanói.Laboratórios em Hong Kong e Japão trabalham com o vírus da gripe obtido de duas vítimas no Vietnã. A OMS também supervisionou a produção de uma vacina similar durante uma primeira erupção da gripe avícola em fevereiro do anos passado, que vitimou duas pessoas e causou uma morte em Hong Kong.Assegurar-se, entretanto, que uma vacina é segura para o consumo público pode ser um processo lento. ?Pode levar vários meses ou vários anos antes que esteja pronto para o público?, admitiu Dietz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.