A angústia dos familiares de passageiros do avião que caiu em NY

Os familiares dos passageiros que estavam a bordo do avião que caiu no bairro nova-iorquino de Queens se aglomeraram nesta segunda-feira no aeroporto de São Domingos, na República Dominicana, chorando, abraçando-se e pedindo informações. "Ai meu Deus!", disse Miriam Fajardo, chorando logo após saber que sua irmã, Norma Lilian Baloi, e três sobrinhos estavam no vôo 587 da American Airlines, que se dirigia ao aeroporto internacional de Las Américas da capital dominicana. "Há oito anos que eu não os via, e agora se foram". Estava programado que o vôo chegaria a seu destino às 12h15 (hora local). "Que não sejam os três, por favor, que não sejam os três!", rezava Germana Brito, que esperava no terminal por sua irmã, Mariana Flores, que viajava junto com o marido, John, e o filho Isaías, de dois anos. "Que Deus nos ajude!". o governo dominicano estabeleceu no aeroporto um centro de assistência, onde vários médicos e quatro psicólogos falavam com os familiares, muitos dos quais desmaiaram ao escutarem a notícia, disse Luis Manuel Mejía, diretor de segurança aeroportuária em São Domingos. "O presidente se mantém atento e expressou seu profundo pesar e consternação", disse Luis González Fabra, porta-voz do mandatário, Hipólito Mejía. Os canais de televisão de todo o país transmitiam as imagens do local onde caiu o avião.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.