À beira da indicação democrata, Obama prepara o grande salto

Senador, que deve assegurar nomeação na terça-feira, terá de vencer preconceito para chegar à Casa Branca

Patrícia Campos Mello, O Estadao de S.Paulo

18 de maio de 2008 | 00h00

Um azarão que teve a audácia de desafiar uma das famílias políticas mais poderosas dos EUA, munido de pouco mais de dois anos de experiência no Senado, sobrenome muçulmano e, ainda por cima, pele negra, deve se tornar nesta terça-feira o candidato do Partido Democrata à eleição presidencial. Se vencer a primária de Oregon, como está previsto, Barack Obama deve acumular mais de 1.627 delegados eleitos. Embora não seja o mínimo de 2.025 (que inclui superdelegados), terá nas mãos a maioria dos delegados considerados fundamentais para bater Hillary Clinton e confirmar a indicação.Obama é dono de uma história que, por muitas razões, dificilmente poderia ter ocorrido na América de décadas atrás. Ele é filho de uma mulher branca do Kansas que se apaixonou por um muçulmano negro do Quênia nos anos 60, em plena era de segregação, quando a maioria dos Estados ainda proibia o casamento inter-racial. O advogado de 46 anos usa sua biografia multiétnica e multicultural como trunfo para ganhar votos. O primeiro candidato negro à presidência dos EUA tem, porém, muitos obstáculos à frente. Embora não tenha nenhum escândalo ou fato desabonador no currículo, os republicanos o acusam de ser liberal (termo que, nos EUA, significa estar à esquerda do espectro político). Sua inexperiência em cargos públicos - trabalhou só no Senado de Illinois e pouco mais de dois anos no Congresso - e a possível ingenuidade em política externa são os principais alvos dos republicanos. Ele insiste no discurso da mudança, dizendo não ver problemas em dialogar com governos com os quais a administração Bush não negocia, como Irã, Cuba e Síria. "Obama não tem experiência em política externa - ela se resume a um curso de Relações Internacionais na faculdade e a ter morado fora quando criança", disse ao Estado Luke Bernstein, diretor do Partido Republicano na Pensilvânia. Obama tenta mostrar a vantagem de não ter sido corrompido pelos vícios da politicagem. Admitiu, por exemplo, que não teve tempo de aprender todas as regras de Washington, "só o suficiente para saber que precisam mudar". Também procura diferenciar experiência de bom julgamento - citando o discernimento que teve ao se opor à guerra do Iraque desde o início.A raça é outro grande obstáculo. Em um país que bancou a segregação oficial durante anos, muitos brancos se recusam a votar em negros, embora ainda seja difícil quantificar esse racismo nas urnas. Os vídeos do pastor de Obama, Jeremiah Wright, dizendo "Deus amaldiçoe a América" estão no ar em anúncios e certamente serão usados à exaustão no segundo semestre. Eles remetem ao ativismo negro que assusta muitos eleitores brancos conservadores.E o fato de Obama ser considerado um dos senadores mais liberais do Congresso pode tirar-lhe votos. "Muitos eleitores não vão votar em Obama porque ele vai aumentar os impostos, deixar os sindicatos aparelharem Washington e bater papo com tiranos como Mahmud Ahmadinejad, do Irã", disse o consultor republicano Todd Harris, com o tom exagerado que deve marcar a campanha daqui para frente.Para outros observadores, os EUA passam por um momento em que tal revolução é possível. "O fato de que 82% dos americanos acreditam que o país está no caminho errado é uma ótima oportunidade de trazer para as urnas pessoas que não votam normalmente para eleger um candidato mais liberal que a média ", afirma Michael Dawson, especialista em raça e política da Universidade de Chicago. Para Paul Green, cientista político especializado na política de Chicago, Obama é um mestre do consenso: "Ele avança com a aliança entre negros e brancos ricos ou com educação superior, a mesma que o elegeu para o Senado." Mas terá de se livrar do estereótipo de elitista - uma ironia, considerando seu passado humilde, filho de mãe solteira que sobreviveu à base de cupons de alimentação - para conquistar o eleitorado branco operário. "Ele precisa ganhar pelo menos parte desse nicho para vencer a eleição", adverte Dawson.Parte do fascínio em torno de Obama se deve à sua trajetória multicultural. A mãe de Obama, Stanley Ann Soetoro (Stanley porque o pai dela queria um filho homem), foi uma revolucionária a seu modo. Aos 18 anos, conheceu Barack Hussein Obama na Universidade do Havaí, casou, e teve Barack Hussein Obama. Barack pai era um pastor de cabras no Quênia, que havia ganho uma bolsa de estudos e se tornara o primeiro aluno africano da universidade. Mas o pai de Obama tinha grandes ambições. Deixou a família no Havaí e foi para Harvard fazer doutorado. O casamento não durou. Após o divórcio, em 1964, a mãe de Obama voltou à faculdade para se formar e casou de novo, mais uma vez com um estudante estrangeiro, o indonésio Lolo Soetoro. Do casamento nasceu Maya, irmã de Obama. A família mudou-se para a Indonésia, maior país muçulmano do mundo, quando Obama tinha 6 anos. Ele viveu lá, numa rua de terra e bairro sem luz, até os 10. Voltou ao Havaí para viver com os avós e estudar. Viu seu pai só uma vez, aos 10 anos. O pai teve oito filhos com quatro mulheres. Morreu num acidente de carro em 1982, aos 53 anos. Para muitos, essa vivência diferenciada rende a Obama uma perspectiva privilegiada para analisar o mundo. "A experiência no exterior lhe dá uma noção de como é a vida real nos outros países, o que é importante para determinar por que alguém vira terrorista", disse à Newsweek Tony Lake, que foi conselheiro de segurança nacional de Bill Clinton e hoje assessora Obama.Obama afirma que, como conseqüência de ter vivido na Indonésia e viajado para o Paquistão na juventude, além de ter amigos muçulmanos na faculdade, tinha muito clara na cabeça a rivalidade entre xiitas e sunitas, o que o levou a se opor à guerra do Iraque desde o início.LÍDER COMUNITÁRIODepois da infância e adolescência no Havaí, Obama fez faculdade em Nova York, na prestigiosa Universidade Colúmbia. Daí foi para Chicago, que adotou como lar. Lá conheceu sua mulher, Michelle, encontrou a fé na igreja do reverendo Wright e desenvolveu seu trabalho como líder comunitário em regiões pobres. Saiu de Chicago para cursar Direito em Harvard. Foi o primeiro negro eleito para a presidência da Harvard Law Review, a revista de direito da universidade. Logo depois voltou para Chicago, onde nasceram suas duas filhas, Mahlia (hoje com 9 anos) e Sasha, de 6. Em 1995, escreveu o best seller Dreams of My Father ("Sonhos do meu Pai"). Em 1996, foi eleito para o Senado estadual.A mãe de Obama foi sua referência por toda a vida. Ela fez doutorado em antropologia, separou-se do marido e viveu anos na Indonésia. Ann morreu de câncer em 1995, aos 52 anos.Talvez o grande problema de Obama seja satisfazer as expectativas de seus eleitores. Sean Penn, o ator e diretor que é um dos maiores críticos do governo Bush, resumiu esse desafio: "Estou animado pela esperança que Obama inspira. Mas espero que, se eleito, ele esteja ciente do grau de desilusão que causará se não corresponder à expectativa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.