AFP PHOTO / POOL / ALESSANDRO BIANCHI
AFP PHOTO / POOL / ALESSANDRO BIANCHI

A caminho do Chile, papa diz temer uma 'guerra nuclear'

'Estamos no limite', afirmou o pontífice ao exibir uma imagem tirada em Nagasaki após a explosão de uma bomba atômica em 1945

O Estado de S.Paulo

15 Janeiro 2018 | 16h40

Durante a viagem para o Chile, primeira parada de sua sexta viagem à América Latina, o papa Francisco reconheceu nesta segunda-feira, 15, que tem medo de que um incidente desencadeie uma guerra nuclear.

+ Governo chileno diz que garante a segurança do papa, apesar dos ataques contra igrejas

"Estamos no limite", afirmou aos jornalistas que o acompanham a bordo do avião que o leva ao Chile. Ainda nessa semana, o pontífice visitará o Peru. "Sim, realmente tenho medo. Estamos no limite. Basta um incidente para desencadear a guerra. Não se pode correr o risco de que a situação precipite. Portanto, é preciso destruir as armas nucleares", enfatizou.

Francisco fez os comentários após distribuir aos 70 jornalistas que o acompanham no voo uma foto tirada em Nagasaki depois da explosão da bomba atômica em 1945. 

+ Papa Francisco pede integração de imigrantes, apesar de temor 'legítimo'

A foto, cuja legenda é "fruto da guerra", é a mesma que a assessoria de imprensa do Vaticano publicou poucas horas antes de terminar 2017, e na qual se vê um menino numa fila segurando o corpo de seu irmão morto pela explosão para que possa ser cremado.

"É uma imagem feita pelo fotógrafo americano Joseph Roger O`Donnell depois do bombardeio atômico em Nagasaki. A tristeza do menino se expressa em seus lábios mordidos e cobertos de sangue", explicou o pontífice. /AFP

Relembre:

 

Mais conteúdo sobre:
Papa Francisco Chile [América do Sul]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.