AFP PHOTO / FRANTZESCO KANGARIS
AFP PHOTO / FRANTZESCO KANGARIS

‘A certeza que temos é de que a incerteza prejudica os negócios'

Para especialista, impacto econômico e problemas práticos após o Brexit serão enormes para o Reino Unido

Entrevista com

Famke Müller, analista de risco político

Andrei Netto, Correspondente / Paris, O Estado de S.Paulo

18 Janeiro 2017 | 05h00

Com Brexit e eleições na França, Alemanha, Holanda e possivelmente Itália, 2017 parece ser o ano de todos os riscos, não?

É isso, sem exageros. As eleições nacionais serão marcadas pela presença dos populistas. Pela primeira vez depois da criação da União Europeia, os riscos estarão concentrados em um ano. 

Desta vez o risco não é econômico, como na crise da zona do euro, mas político?

Sim. A crise da Grécia foi muito perigosa, mas não desmantelaria a UE porque era um evento econômico que envolvia decisões políticas. A Alemanha teria de ter tomado a decisão política de acabar com o apoio à Grécia e ela jamais o faria. Já o Brexit é uma decisão política. Houve a escolha de realizar a votação, mas a seguir a decisão foi da população. Londres fez de tudo para enfurecer os europeus. Não foi muito estratégico. Fizeram isso para agradar aos eleitores no interior do país.

O governo May não parece buscar conciliação com a UE...

O Reino Unido terá de fato de sair do mercado único e isso é inacreditável. O impacto econômico e os problemas práticos serão enormes. Os britânicos terão de voltar atrás em mais de 30 anos de legislações comuns. É necessário renegociar um acordo de livre-comércio com a UE, que será próximo ao atual. Mas o Reino Unido não terá pessoal competente e experiente, já que as negociações desse tipo eram competência de Bruxelas.

Sete meses depois, Brexit quer dizer incerteza?

Sim. A certeza que temos é de que a incerteza tem um impacto negativo sobre os negócios.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.