A China abre as portas para o Miss Mundo

Depois de anos de planejamento, meses de comoção e dias de preparativos de último minuto, o concurso de Miss Mundo foi aberto neste sábado, nessa ilha tropical de Sanya, fazendo com que a China entrasse no cenário da beleza universal.Na seqüência de abertura, as competidoras entraram no palco no tradicional estilo chinês: usando uniformes vermelhos com a gola chinesa alta. Mais tarde, porém, apareceram em seus deslumbrantes vestidos de noite de várias tonalidades e foram introduzidas uma a uma.?Há um ar de excitação e um bocado de tensão entre as moças?, disse Paul Ridley, porta-voz do Miss Mundo sediado em Londres, antes do início do resplandecente evento de duas horas.O juri incluía a estrela de cinema Jackie Chan, a autora do badalado seriado Sex and the City, Candace Bushnell, e a presidente do Miss Mundo Julia Morley.Quatro das concorrentes já garantiram um lugar entre as 20 posições top, ao vencerem competições alternativas: Miss Canadá, Nazanin Afshin-Jam (Esportes); Miss Geórgia, Irina Onashvili (Talento); Miss Bolívia, Helen Aponte Saucedo (Personalidade); e Miss Irlanda, Rosanna Davison (Beleza de Praia).Uma quinta posição ficou com Miss Austrália, Olivia Marie Stratton, que foi escolhida por voto da Internet e o resultado anunciado neste sábado.O concurso é o mais recente esforço da China para abrir suas portas ao mundo e tornar-se um parceiro global. ?Ao mesmo tempo que reformas e abertura aprofundam-se, algumas atividades culturais estão sendo introduzidas na China?, disse Zhou Xiong,Porta-voz do Comitê Organizador do Miss Mundo chinês. ?Este concurso é um dos exemplos.??Estou muito animado. Espero que consiga vê-las?, dizia Dai Xuefang, que estava vendendo doces em sua bicicleta. ?Elas são tão bonitas?, acrescentou Wu Chang, um dos amigos de 18 anos que estudam num colégio em uma cidade próxima e planejaram sua ida a Sanya há um mês. ?Vai ser um luxo e a gente conseguir vê-las. Nós queremos que Miss China vença?, torcia outro amigo, Yang Liu.As entradas para o desfile foram todas vendidas, embora os preços ? entre US$ 80 e US$ 2.000 ? sejam tremendamente caras para um país em que o salário médio urbano é de US$ 100.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.