A crise na Venezuela em vídeos

O país vive uma turbulência sem precedentes, com embates políticos, tragédia econômica, fuga em massa da população e escassez de alimentos e remédios

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2019 | 05h00

A revolução bolivariana tem sido desastrosa para a Venezuela, e o resultado dos governos de Hugo Chávez e seu sucessor, Nicolás Maduro levaram o país a uma crise sem precedentes. Crianças famintas vagam pelas ruaspessoas estão fugindo,  o sistema de saúde quase não existe mais, a violência é endêmica e até a água é escassa. A a ascensão do chavismo transformou uma nação pacífica e de classe média num pesadelo.

Nos últimos anos, a crise piorou, e levou a uma série de embates políticos, crise econômica, escassez e , problemas no sistema de saúde. Nas últimas semanas, a crise política se intensificou, com o líder opositor, Juan Guaidó, se autoproclamando presidente interino do país e sendo reconhecido por quase 50 países. 

Milhares de pessoas foram às ruas apoiar Guaidó e protestar contra o regime de Nicolás Maduro, recordar as pessoas mortas em protestos e os presos políticos. 

Guaidó conseguiu apoio dos Estados Unidos, e está pressionando o chavismo para aceitar ajuda humanitária. O centro de distribuição de Cúcuta, na Colômbia, recebeu cerca de 10 veículos carregados com ajuda nos últimos dias. 

O regime chavista está cada vez mais pressionado também pela crise econômica e social que aumentou nos últimos anos. O Alto Comissariado da ONU para os Refugiados afirmou que pelo menos 3 milhões de venezuelanos já deixaram o país.

Os refugiados venezuelanos chegam a percorrer 200 quilômetros a pé até a capital do Estado, Boa Vista, onde se amontoam em praças sem banheiro e água potável

O país, que tem as maiores reservas de petróleo do mundo, sofre até mesmo com a dificuldade de distribuir combustível para a população.

A escassez de alimentos e de remédios na Venezuela também é grave e leva milhares de pessoas ao desespero.

 

 


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.