Bruno Kelly/Reuters
Bruno Kelly/Reuters

‘A decisão do governo brasileiro é sem precedentes’, diz Rubens Barbosa

Ex-embaixador afirma que, em mais de 40 anos de carreira, nunca viu País retirar coletivamente todos os seus diplomatas de uma nação – como faz agora na Venezuela

Kátia Mello, O Estado de S.Paulo

06 de março de 2020 | 06h00

Ao comentar a saída dos diplomatas brasileiros da Venezuela, nesta entrevista ao Estado, Rubens Barbosa, ex-embaixador do Brasil na Inglaterra (1994-1999) e nos Estados Unidos (1999-2004), afirmou que, em seus mais de 40 anos de carreira diplomática, nunca viu o País retirar coletivamente todos os seus diplomatas de uma nação. “É uma decisão sem precedentes”, disse ele. Para o ex-embaixador, o importante é saber como ficará a situação dos brasileiros no país vizinho. Leia a entrevista na íntegra.

Como o senhor vê a decisão do governo brasileiro de retirar quatro diplomatas e 11 funcionários da Venezuela?

Eu não me lembro em toda a minha carreira diplomática do Brasil tomar uma atitude dessas: fazer uma retirada coletiva de todos os diplomatas e funcionários da embaixada e dos consulados. Esse é um ponto importante, porque a embaixada é responsável por cuidar dos brasileiros fora do país. E uma das consequências é em relação à assistência aos brasileiros que moram na Venezuela e que precisam tirar certidão de nascimento, renovar passaporte, etc. Como é que vai ficar isso? A outra questão é sobre os adidos, porque só serão removidos os funcionários diplomáticos. Quem irá cuidar dos prédios, da embaixada? Isso ainda não está claro.

Sem embaixada, quais serão os impactos comerciais para o Brasil?

Se não há embaixada, qualquer problema internacional, como a dívida, ou individual não será tratado. Mas alguns funcionários devem ficar por lá.

E como fica a questão da segurança nacional?

Ainda não dá para saber. Saiu (a decisão) no Diário Oficial apenas sobre a retirada, mas não há nenhuma referência sobre como ficará a relação do Brasil com a Venezuela Nos próximos dois meses, deveremos saber sobre a continuação da relação com o país e como ficará a situação dos brasileiros que estão lá. Não há ainda declarações oficiais do governo brasileiro, então ainda não dá para saber o que vai acontecer.

Fechar a embaixada significa romper com a nação vizinha?

Para haver rompimento, precisaria haver uma declaração do governo brasileiro, o que não aconteceu. Por enquanto, é uma retirada dos funcionários da diplomacia. Em todo caso, é um agravamento das relações.

O senhor já se mostrou crítico em relação ao apoio do governo Bolsonaro ao líder opositor Juan Guaidó. Essa medida seria um erro do Brasil?

A medida não tem nada a ver com Guaidó. Tudo o que o governo brasileiro poderia fazer para apoiá-lo, já fez. A decisão tem a ver com o governo Maduro e é sem precedentes.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.