Imagem Moisés Naím
Colunista
Moisés Naím
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A era da contrainformação

Duas ideias fazem parte do cânone do pensamento contemporâneo no tocante ao jornalismo. A primeira é que a Internet é a mais poderosa força que vem convulsionando a mídia de notícias. A segunda é que a Internet e os instrumentos de informação e comunicação que ela gerou - como YouTube, Twitter e Facebook - estão transferindo o poder dos governos à sociedade civil, blogueiros e cidadãos conectados ou que agem como repórter de rua.

Moisés Naím, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2015 | 02h04

É difícil discordar das duas ideias. Mas elas ocultam um fato, ou seja, os governos estão tendo tanto sucesso quanto a Internet em bloquear a mídia independente e determinar que informações devem chegar à sociedade. Além disso, em muitos países pobres ou naqueles com regimes autocráticos, as ações governamentais são mais importantes do que a Internet em definir como a informação é produzida e consumida e por quem.

É um paradoxo curioso: a censura está florescendo na era da informação. Teoricamente, as novas tecnologias tornariam mais difícil, basicamente impossível, para os governos controlarem o fluxo de informação. Alguns analistas afirmam que o nascimento da Internet foi o prenúncio da morte da censura. Em 1993, John Gilmore, pioneiro da Internet, disse ao Time que "a Net interpreta a censura como prejudicial e a dribla".

Hoje os governos vêm driblando os efeitos libertadores da Internet. Como os empreendedores, eles confiam na inovação e na imitação. Na Hungria, Equador, Turquia, Quênia e outros lugares as autoridades copiam autocracias como a Rússia, Irã ou China, redigindo notícias importantes e criando agências estatais de mídia. E vêm criando também ferramentas sutis para complementar instrumentos de ataque a jornalistas.

Como resultado, a promessa da Internet de liberar o acesso a fontes diversas e independentes de informação é sobretudo uma realidade para uma minoria da humanidade que vive em democracias maduras.

Como isto vem ocorrendo? A Internet parece capaz de reescrever qualquer equação de poder em que a informação é uma variável. Mas esta não é uma lei universal. Quando começamos a mapear exemplos de censura encontramos muitos casos descarados à vista de todos. Mas o mais surpreendente é até que ponto isto é oculto. O escopo da censura é difícil de ser avaliado. Em primeiro lugar, alguns instrumentos de controle da mídia são disfarçados como transtornos do mercado. Em segundo lugar, em muitos locais o uso da Internet e a censura estão rapidamente se expandindo em conjunto. Em terceiro, embora a Internet seja considerada um fenômeno global, atos de censura podem parecer provincianos ou nacionais - numa palavra, isolados. As evidências indicam o contrário.

Na Venezuela, por exemplo, os três fatores coexistem. O uso da Internet está entre os de mais rápido crescimento no mundo, mesmo se o governo persiste com um programa agressivo, mas muito imperceptível, de censura. Os métodos usados pelo Estado incluem uma influência cada vez mais forte sobre a mídia independente por meio de compras utilizando empresas de fachada e compradores fantasmas - uma tática usada em todas as partes. Tamoa Calzadilla, ex-editora de Últimas Notícias, o maior jornal da Venezuela, renunciou no ano passado depois de compradores anônimos assumirem o controle do jornal e ela ser pressionada a mudar uma reportagem para se adaptar às posições do governo.

A censura era um exercício de cortar e colar. Agentes do governo inspecionavam o conteúdo dos jornais, revistas, livros ou filmes e suprimiam ou alteravam o texto de modo que somente informações julgadas aceitáveis chegavam ao público.

Quando surgiu o jornalismo online nos anos 90, a filtragem, o bloqueio e o hacking substituíram as tesouras e a tinta preta. Mas ativistas especializados na tecnologia rapidamente encontraram meios para escapar dos censores digitais. Durante um tempo parecia que redes ágeis e descentralizadas de ativistas, jornalistas e críticos tinham controle sobre as burocracias governamentais centralizadas, hierárquicas e difíceis de manejar. Mas então os governos os alcançaram.

Em nenhum lugar as contradições desta disputa estão mais à mostra como na China. O país com o maior número de usuários de Internet e a população conectada que mais cresce no mundo também é o maior censor. Dos três bilhões de usuários no planeta, 20% vivem na China (10% nos Estados Unidos). O governo mantém a "Grande Muralha" digital para bloquear conteúdo inaceitável, incluindo websites de notícias estrangeiros. Cerca de dois milhões de censores policiam a Internet e as atividades dos usuários. Mas uma pesquisa feita pela BBC em 2014 concluiu que 76% dos chineses sentiam-se livre da fiscalização do governo. A taxa mais alta dos 17 países pesquisados.

A China não vê nenhum problema em reprimir duramente a cobertura de mídia que seja crítica, mas as autoridades também exercem a censura de modo sutil, o que torna difícil para a sociedade ver o que ocorre. Em Hong Kong, onde por tratado o respeito à imprensa livre é obrigatório, Pequim adotou uma série de medidas para limitar o jornalismo independente, incluindo atos de violência contra editores e prisões de repórteres. Mas silenciosamente realiza seus ciberataques, exige a demissão de jornalistas e colunistas críticos e a retirada de propaganda por empresas privadas, incluindo multinacionais. A Associação de Jornalistas de Hong Kong descreveu 2014 como "o ano mais sombrio para a liberdade de imprensa em décadas".

Esta combinação de métodos inovadores e tradicionais criou um cardápio variado de censura jamais visto. A censura furtiva seduz governos autoritários que querem dar o ar de democracias - ou pelo menos de não serem ditaduras no velho estilo. Nas democracias intolerantes, que são em número cada vez maior, o governo procura manter o controle da mídia e ao mesmo tempo não deixar rastros. Uma pesquisa global sobre ataques à imprensa nos dias atuais mostra governos exercitando pressões, diretas e indiretas, como parte de um mercado emergente em expansão no controle da informação.

Na Rússia o presidente Vladimir Putin vem reformulando a área da comunicação à imagem do governo. Em 2014 muitos órgãos de mídia foram bloqueados, fechados ou forçados a mudar sua linha editorial por pressão do governo. Ao mesmo tempo foram inauguradas agências de informação do próprio governo, que também sancionou leis limitando o investimento estrangeiro nos meios de comunicação russos. A medida visou publicações como o jornal Vedomosti, respeitado pela sua independência e de propriedade de grupos de mídia estrangeiros como Down Jones, o Financial Times Group e o Sanoma da Finlândia.

As revelações feitas por Edward Snowden deixaram claro que a Internet pode ser um instrumento do governo para bisbilhotar a vida dos cidadãos. Quanto a se a espionagem interna nos EUA ou Grã-Bretanha deve ser qualificada como censura, este é um tema de debate. Mas a autorização do governo Obama para grampear telefones de jornalistas e processos por vazamentos agressivos tiveram um efeito intimidador bem documentado nas informações da segurança nacional. No mínimo, a espionagem eletrônica do governo significa que nenhum trabalho jornalístico sobre assuntos secretos pode em sã consciência garantir o anonimato da fonte.

Estas políticas de segurança nacional colocam os EUA entre outros países, como Rússia, que veem a Internet como ameaça e meio de controle. Em vez de se evadir das acusações de que realizam atos de espionagem pela Internet, Rússia, Índia e Austrália transformaram a prática em lei.

Os jornalistas temem ser pegos nessa emboscada eletrônica e frequentemente são alvos específicos dela. A China espiona contas de e-mail de jornalistas estrangeiros e invade servidores de jornais dos EUA. A NSA espionou a Al-Jazira. Bielo-Rússia, Rússia, Arábia Saudita e Sudão monitoram as comunicações de jornalistas, informou a entidade Repórteres sem Fronteiras.

Para cada governo que tem sucesso no controle do livre fluxo da informação ou na repressão de jornalistas, há um exemplo contrário. Cidadãos corajosos e tecnologicamente hábeis encontraram maneiras de superar, contornar ou eliminar controles oficiais. Ou estão dispostos a correr o risco de se opor à alegação de um governo de que é o único a ter direito de escrever a história.

Mas eles estão lutando contra uma tendência em que um número cada vez maior de governos vem eliminando os pesos e contrapesos que limitam o poder do executivo. Da Rússia à Turquia, da Hungria à Bolívia, lideres de governo colocam no Judiciário pessoas que lhes são leais e realizam eleições que privilegiam aliados. Neste ambiente político, a mídia independente não consegue sobreviver por muito tempo.

A Internet pode redistribuir o poder. Mas seria ingênuo imaginar que é a solução tecnológica simples para pôr fim à determinação de governos e lideranças de concentrar o poder e fazer o que for necessário para mantê-lo. A censura verá sua ascensão e queda à medida que a inovação tecnológica e a sede de liberdade entrarem em choque com governos propensos a controlar seus cidadãos - a começar pelo que eles leem e ouvem. Para Paquistaneses, a autocensura e o suborno são muito comuns. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

É EX-DIRETOR EXECUTIVO DO BANCO

MUNDIAL E MEMBRO DO CARNEGIE

ENDOWMENT FOR INTERNATIONAL PEAC

O ARTIGO FOI ESCRITO COM PHILIP

BENNET, DIRETOR DO THE DEWITT

WALLACE CENTER FOR MEDIA AND

DEMOCRACY, NA DUKE UNIVERSITY

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.