À espera de um acordo, Kunduz permanece cercada

Forças anti-Taleban mantiveram a Kunduz cercada nesta sexta-feira, enquanto comandantes da Aliança do Norte e da milícia islâmica discutiram detalhes sobre como será a rendição na cidade.Os representantes do Taleban, incluindo o vice-ministro da defesa, mulá Faizal Muslimyar, explicaram os planos de rendição com os combatentes em Kunduz e voltaram hoje à mesa de negociações em Mazar-i-Sharif, a principal cidade do norte afegão, para acertando os detalhes.Comandantes da Aliança do Norte disseram que os guerreiros já estão sabendo sobre a rendição e hoje não havia sinal de combates. Até mesmo os caças americanos contiveram os bombardeios em torno de Kunduz. Segundo o porta-voz da Aliança Ashraf Nadeem, forças anti-Talebandevem entrar "provavelmente no sábado" na cidade para supervisionar a rendição.Pelo acordo, os guerreiros do Taleban terão passagem livre para fora de Kunduz. Os combatentes estrangeiros - árabes, chechenos e paquistanteses leais ao terrorista Osama bin Laden - não terão a mesma sorte e ficarão presos na cidade.Os guerrilheiros estrangeiros serão colocados em campos até que a Aliança do Norte e coalizão liderada pelos Estados Unidos arrume uma solução melhor. Até o momento, foi descartada a hipótese de entregar esses guerrilheiros para tribunais internacionais."Esses estrangeiros cometeram crimes em nosso país. Nós não entregaremos (esses criminosos) para as Nações Unidas ou qualquer outro país. Eles serão julgados no Afeganistão, em nossas cortes islâmicas", disse Daoud Khan, um comandante da oposição.A Aliança do Norte teme que os estrangeiros - estimados em 4 mil combatentes - possam tentar fugir da cidade e entrar no Usbequistão ou no Paquistão em vez de aceitarem a rendição.Os estrangeiros podem estar com medo de execuções sumárias, assim como acredita-se que aconteceu em Mazar-i-Sharif depois da entrada das forças da Aliança do Norte na cidade. Em Genebra, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha disse ter encontrado cerca de 600 corpos em Mazar-i-Sharif, mas não afirmou se as vítimas foram executadas ou mortas em combate.A rendição em Kunduz deixará o Taleban com apenas uma base no país: a cidade de Kandahar, no sul do Afeganistão. O porta-voz taleban Syed Tayyab Agha prometeu que a milícia islâmica vai lutar para defender Kandahar e as províncias em torno dela.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.