Alexander Historical Auctions
Alexander Historical Auctions

'A filha do Führer': a ligação de Hitler com uma menina de origem judaica

Foto rara de 1933 mostra o líder nazista abraçando Rosa Bernile Nienau, de 6 anos; comprador não identificado arrematou objeto por mais de US$ 11 mil

Ian Shapira / The Washington Post, O Estado de S.Paulo

15 de novembro de 2018 | 05h00

WASHINGTON - Rosa Bernile Nienau era a criança favorita de Adolf Hitler. Os dois até faziam aniversário no mesmo dia: 20 de abril. Ela o tratava como "tio Hitler" e foi apelidada como a "filha do Führer".

Numa época em que o líder nazista se mostrava para o mundo como uma figura gentil, seu fotógrafo pessoal frequentemente tirava fotos dos dois de mãos dadas, trocando beijos na bochecha ou apenas sorrindo um para o outro. Hitler se recusou a interromper o contato com a garota, mesmo depois de descobrir que ela tinha uma avó judia.

Nesta semana, foi leiloado pela Alexander Historical Auctions, nos EUA, um rara fotografia dos dois por US$ 11.520. O retrato em preto e branco, com cerca de 30 cm x 24 cm, foi feito em 1933 por Heinrich Hoffmann e mostra Hitler sorridente abraçando a menina, à época com 6 anos, em seu retiro na montanha, o Berghof, na região da Baviera, na Alemanha. 

O rosto de Hitler está virado para a direita, encostado na cabeça de Rosa, enquanto ela olha diretamente para a câmera, com os olhos iluminados e sorri. O principal destaque da fotografia é a inscrição feita pelo próprio Hitler em tinta azul-escura.

"A querida e [atenciosa?] Rosa Nienau, Adolf Hitler, Munique, 16 de junho de 1933", diz o texto em alemão, referindo-se ao local onde assinou a fotografia. Nove flores edelweiss e um trevo de quatro folhas - aplicado por Bernile, como ela era conhecida - também enfeitam a fotografia.

Andreas Kornfeld, vice-presidente de vendas da Alexander Historical Auctions, disse que ficou surpreso quando descobriu a relação dos dois personagens que aparecem na foto.

"É provavelmente um dos itens mais exclusivos que eu já vi em todo o tempo que atuo com leilões", diz Kornfeld. "Mesmo sendo alemão, nunca tinha ouvido essa história, apesar de ter visto a imagem muitas vezes. Mas nunca me ocorreu qual seria a história por trás da imagem, que é impressionante."

A explicação de como a imagem chegou até essa casa de leilão em Maryland é tão misteriosa quanto a identidade de quem a comprou, na terça-feira. Kornfeld se recusou a fornecer o nome ou uma descrição do vencedor do leilão.

Embora a casa de leilões tenha passado meses verificando sua autenticidade, Kornfeld também disse que não sabia como a fotografia feita na Alemanha dos anos 1930 chegou até o atual proprietário, que a levou para a casa de leilões há alguns meses.

Ao contrário de pinturas ou outros objetos de arte, fotografias autografadas geralmente não são acompanhadas de histórias detalhadas, disse o especialista. "A procedência deste tipo de material se tornou um problema nos últimos 10 ou 15 anos", disse Kornfeld. “É meio triste. Essas informações perdidas acrescentariam muito à história."

Como muitas das imagens feitas por Hoffman, a foto de Hitler e Bernile foi usada para propaganda. As imagens dos dois tinham como objetivo retratar o líder alemão como uma pessoa que ama crianças, “um homem verdadeiramente em contato com os jovens”, de acordo com o livro de James Wilson, “Hitler’s Alpine Headquarters”.

De acordo com a casa de leilões, Bernile e sua mãe viúva viajaram de Munique, na primavera de 1933, para o retiro de Hitler. Elas estavam lá para celebrar o aniversário do líder nazista e Bernile foi escolhida para conhecê-lo pessoalmente, provavelmente por causa de seus aniversários idênticos. Ela e o “Tio Hitler” se identificaram e se encontraram várias vezes - além de trocarem cartas - até 1938.

"A pesquisa mostra que desde o princípio Hitler sabia da herança judaica da menina, mas optou por ignorá-la, seja por motivos pessoais ou de propaganda", escreveu a casa de leilões em seu site.

De acordo com as leis da Alemanha nazista, ser neto ou neta de judeus, como era o caso de Bernile, já era o suficiente para ser considerada judia, explicou a Alexander Historical Auctions. 

Em determinado momento, um capanga de Hitler descobriu as origens da família de Bernile e proibiu que ela e sua mãe visitassem o retiro do Führer. Hitler só descobriu tempos depois que ela fora colocada em uma lista de pessoas proibidas de visitá-lo, segundo o livro de Wilson.

“Hitler ficou furioso com aqueles que haviam denunciado sua amiga. Ele disse a Hoffman: 'Há algumas pessoas que têm um gênio positivo para estragar todos os meus pequenos prazeres', de acordo com a obra de Wilson.

Em 1938, outro líder de alto escalão interveio e interrompeu permanentemente também a troca de correspondência de Hitler com a criança. Cinco anos depois, em 5 de outubro de 1943, Bernile morreu de pólio aos 17 anos em um hospital de Munique.

Naquele momento, milhões de judeus já tinham sido mortos no Holocausto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.