A ilusão de ser uma alternativa ao neoliberalismo

CENÁRIO:

O Estado de S.Paulo

06 Março 2015 | 02h06

Megan McArdle / BLOOMBERG NEWS

Durante quase dez anos, a Venezuela governada por Hugo Chávez, e, em grau menor, a Argentina sob os Kirchner, foram modelos populares para a esquerda que buscava uma alternativa ao consenso neoliberal. O programa de Chávez de expansão dos gastos sociais e a recusa dos Kirchner em bajular os investidores estrangeiros finalmente ofereceram alternativas para as quais seria possível recorrer quando os neoliberais começassem a falar sobre confiança do mercado e orçamentos equilibrados. Esses neoliberais frequentemente apontavam os problemas em que essas políticas esbarravam. Chávez e seu sucessor, Nicolás Maduro, desviaram fundos dos investimentos do setor petrolífero para os gastos sociais, fazendo com que a produção de petróleo da Venezuela declinasse. A Argentina se afastou dos mercados de capital mundiais e, ao longo dos anos, teve de recorrer a estratégias fiscais cada vez mais desesperadas. Ambos os países estão em recessão e padecem com a escassez de importações. Há uma boa lição: "Nunca devemos esquecer que não controlamos todas as coisas". A economia global é muito maior e mais poderosa do que as alavancas políticas que podemos controlar. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.