A imagem de um PRI ressuscitado

Enrique Peña Nieto, de 45 anos, é o produto mais telegênico do Partido Revolucionário Institucional, que governou o México por 71 anos. Com um rosto jovem que atrai as mulheres e uma estudada aparição em seus atos de campanha, o advogado terá uma ampla missão. Além de governar o país, Peña Nieto deve tentar reerguer a economia, combater o narcotráfico e a criminalidade e também mudar a controvertida imagem do PRI.

O Estado de S.Paulo

02 de julho de 2012 | 03h01

Já durante a campanha, teve de se esforçar para desvincular-se da etiqueta de corrupto e autoritário que o PRI não consegue deixar para trás, apesar de ter dado sete décadas de estabilidade ao México.

"Meu compromisso é mudar o México. O passado já está escrito, mas a partir de agora teremos essa nova luz, teremos a oportunidade de escrever uma nova página na história do México", declarou logo no início de sua campanha.

Ele sucederá a Felipe Calderón, cujo mandato de seis anos foi arrasado pela violência e pela guerra contra os cartéis da droga que deixaram 50 mil mortos. Assegurando que se reformou e abandonou os métodos corruptos, o PRI venceu eleições para governador e cargos legislativos, recompôs uma formidável máquina partidária e exerceu pressões para conseguir aprovação de leis que favoreceram sua candidatura.

Peña Nieto, à frente dessas pressões, foi até setembro governador do Estado do México, o mais populoso do país. Aproveitando das divisões, da desorganização e do caos em que se encontram os outros partidos, Peña Nieto constitui um apelo para uma nova geração de eleitores de curta memória sobre o passado tenebroso do PRI.

Mas em seus tropeços, ele não mostrou a menor habilidade para improvisar e preparar a própria recuperação. Em dezembro, na famosa Feira Internacional do Livro em Guadalajara. Quando pediram que ele mencionasse três livros que o haviam influenciado, hesitou, gaguejou e olhou para os assessores em busca de ajuda. Um tanto atrapalhado, acabou dizendo que tinha lido "partes" da Bíblia.

Teve duas mulheres que morreram por causa de doenças e com quem teve cinco filhos e agora é casado com a popular atriz de novelas Angélica Rivera.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.