A íntegra da declaração de Osama bin Laden

Em declaração hoje à rede Al-Jazeera, do Catar, Osama bin Laden, principal suspeito dos ataques terroristas de 11 de setembro contra os Estados Unidos, agradeceu a Deus pelos atentados que destruíram as torres gêmeas do World Trade Center e uma ala do Pentágono. "A América foi atingida por Deus em um de seus pontos fracos. A América está cheia de medo de norte a sul, de leste a oeste. Obrigado, Deus, por isto", disse Bin Laden. Apesar de ter elogiado os atentados, ele não assumiu responsabilidade. Mas garantiu que os EUA ?não viverão em paz enquanto a paz não reinar na Palestina e todo o exército de infiéis não deixar a terra de Maomé?. Veja a íntegra da declaração: "Eis os Estados Unidos atacados por Deus Todo Poderoso num de seus pontos fracos, de modo que os seus maiores edifícios estão destruídos. Graças a Deus. Os Estados Unidos foram tomados pelo horror de norte a sul, de leste a oeste, e queira Deus que o que os Estados Unidos estão experimentando agora seja apenas uma cópia daquilo que experimentamos. Nossa nação islâmica tem experimentado isso por mais de 80 anos, humilhação e desgraça, seus filhos mortos e o seu sangue derramado, suas santidades dessacralizadas. Deus abençoou um grupo de vanguarda de muçulmanos, a linha de frente do Islã, para destruir os Estados Unidos. Que Deus os abençoe e lhes confira um lugar supremo no céu, pois Ele é o único capaz e com poderes para fazer isso. Quando aqueles permaneceram em defesa de seus frágeis filhos, seus irmãos e irmãs na Palestina e em outras nações muçulmanas, o mundo inteiro fez um alarido, os infiéis seguidos pelos hipócritas. Um milhão de crianças inocentes estão morrendo neste momento em que falamos, mortas no Iraque sem culpa alguma. Não ouvimos nenhuma denúncia, não ouvimos nenhum édito dos dominadores hereditários. Nestes dias, tanques israelenses invadem a Palestina, em Ramallah, Rafah e Beit Jala e muitas outras partes da terra do Islã, e não ouvimos ninguém erguendo a voz ou reagindo. Mas quando a espada caiu sobre os Estados Unidos depois de 80 anos, a hipocrisia ergueu bem alto a sua cabeça, lamentando aqueles assassinos que brincaram com o sangue, a honra e as santidades dos muçulmanos. O mínimo que se pode dizer sobre esses hipócritas é que eles são apóstatas que seguiram o caminho errado. Eles apoiaram o carniceiro contra a vítima, o opressor contra a criança inocente. Procuro abrigo em Deus contra eles, e peço a Ele que nos permita vê-los na situação que merecem. Afirmo que a questão é muito clara. Cada muçulmano, após este evento, deveria lutar pela sua religião, depois que as mais altas autoridades dos Estados Unidos da América, começando pelo cabeça dos infiéis internacionais, Bush e sua equipe, que ingressaram numa exibição de vaidade com seus homens e cavalos, aqueles que jogaram contra nós até mesmo os países que acreditam no Islã - o grupo que recorreu a Deus Todo Poderoso, o grupo que se recusa a renegar sua religião. Eles (os EUA) dizem falsidades ao mundo, dizem que estão enfrentando o terrorismo. Numa nação situada no extremo do mundo, o Japão, centenas de milhares, jovens e velhos, foram mortos, e eles dizem que isto não é um crime mundial. Para eles, não se trata de uma questão clara. Um milhão de crianças foram mortas no Iraque, e para eles isso não é uma questão clara. Mas quando pouco mais de dez foram mortos em Nairóbi e Dar es Salaam, o Afeganistão e o Iraque foram bombardeados e a hipocrisia ficou atrás da cabeça dos infiéis internacionais, o símbolo do paganismo no mundo moderno, os Estados Unidos e seus aliados. Digo a eles que esses acontecimentos dividiram o mundo em dois campos, o campo dos fiéis e o campo dos infiéis. Que Deus proteja deles a nós e a vocês. Cada muçulmano deve se erguer para defender sua religião. O vento da fé está soprando, e o vento da mudança está soprando para remover o mal da Península de Maomé, que a paz esteja com ele. Quanto aos Estados Unidos, dirijo ao país e ao seu povo umas poucas palavras: juro por Deus que os Estados Unidos não viverão em paz enquanto a paz não reinar na Palestina, e enquanto todo o exército de infiéis não deixar a terra de Maomé, que a paz esteja com ele. Deus é grande, e que a glória esteja com o Islã. Leia o especial

Agencia Estado,

07 Outubro 2001 | 20h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.