A luta de Santorum para permanecer na disputa presidencial

Análise: Katharine Q. Seelye / NYT

O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2012 | 03h02

Imagine uma corrida com um único atleta na pista. É essa a situação de Rick Santorum. Vestido com seu melhor terno, ele está pronto para a largada. "O relógio marca meia-noite", disse ele na terça-feira após as derrotas em Wisconsin, Maryland e na capital, Washington.

Para os partidários de Mitt Romney, no entanto, esse relógio não funciona. "Agora é irrelevante se Santorum continua ou não na disputa", afirmou o senador John McCain. Romney já passou para uma pista diferente e compete em outra corrida contra um adversário diferente: o presidente Barack Obama.

"Mitt tem muito terreno para percorrer", disse McCain. "Foi uma primária terrível. Os elementos desfavoráveis são enormes. Cada dia que passa fora do ritmo das eleições gerais é um dia perdido."

A questão agora é até que ponto Romney se preocupa em competir na Pensilvânia, Estado natal de Santorum, cuja primária ocorre dia 24. Outros Estados, como Nova York, realizam prévias no mesmo dia, mas nas próximas três semanas todas as atenções se voltarão para a Pensilvânia.

Ambas as partes tentam administrar suas expectativas. Santorum diz que deve ganhar e seus assessores consideram o Estado crucial para que ele chegue bem nas primárias de maio. Já a equipe de Romney baixou as perspectivas na Pensilvânia, aumentando a pressão sobre o rival.

"Prevemos uma vitória de Santorum na Pensilvânia", disse Russ Schriefer, estrategista de Romney. "Afinal, é o Estado dele. Entretanto, o governador Romney espera fazer campanha na Pensilvânia e competir pelo número de delegados." Ou seja, se Santorum não ganhar na Pensilvânia com uma margem esmagadora, ele já perdeu.

Na realidade, é improvável que ele ganhe no Estado por uma margem elevada. Uma pesquisa da Universidade Quinnipiac mostrou que Santorum vencerá por apenas 6 pontos porcentuais. Ontem, ele começou uma viagem pela Pensilvânia para conquistar o voto de evangélicos e conservadores da zona rural, que o apoiaram em disputas passadas.

No entanto, há um sinal de alerta para Santorum nos resultados de terça-feira. Os eleitores que se disseram "muito conservadores", que o apoiaram em outras primárias, votaram em Romney na prévia de Wisconsin.

Se perceber que Santorum está vulnerável em seu próprio Estado, Romney pode tentar esmagá-lo com a campanha publicitária maciça que utilizou em outras primárias. Se ele vencer o voto popular na Pensilvânia, será difícil Santorum continuar na disputa. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.