A Otan e o revés para Sarkozy

Cinco dias após o início dos ataques aéreos na Líbia, as forças da coalizão acertam os ponteiros. Já não era sem tempo. A ação necessária, salubre, desejada pelo presidente francês, Nicolas Sarkozy, para impedir uma matança na cidade de Benghazi fora montada no calor da hora, com a pressa, a emoção, o narcisismo e o amadorismo habituais a tudo que esse homem faz. O resultado é que os primeiros dias de intervenção na Líbia foram caóticos.

Gilles Lapouge, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2011 | 00h00

Rachas ameaçaram a coalizão. China e Rússia aproveitaram-se para tirar o time de campo. Mesmo na Europa, a Noruega se afastou. E a Itália resmunga.

Mas no pequeno grupo que está no comando - França, Grã-Bretanha e Estados Unidos - também houve uma cacofonia. O pomo da discórdia era a cadeia de comando. Nos primeiros dias da missão militar, justamente, não havia um comando unificado.

Grã-Bretanha e Estados Unidos queriam confiar o trabalho à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), a única estrutura capaz de coordenar uma ação tão complexa. A França não queria a Otan. Por quê? Porque a Otan "cheira a" Estados Unidos, e, sobretudo, isso ameaçaria esfriar os países árabes, daria argumentos a todos aqueles que, como a Rússia, se obstinariam em denunciar a operação como uma "cruzada" do mundo cristão contra o mundo árabe.

Esses argumentos brandidos pela França não eram desprovidos de fundamento e a Otan foi, de início, ignorada.

Mas o resultado foi que o verdadeiro cérebro das operações foram os Estados Unidos, inevitavelmente, por causa de seu poderio militar. Tudo foi coordenado desde a Alemanha e o Mediterrâneo pelos generais americanos. A França ofendeu-se. De sua parte, os Estados Unidos estavam exasperados de ver que a operação "humanitária" estava sendo apresentada como um triunfo pessoal de Sarkozy.

As tensões estavam tão vivas que foi preciso dialogar. Foi o que se fez, Obama e Sarkozy conversaram e o presidente francês teve de reconhecer que uma ação como essa não poderia, na falta de uma estrutura militar europeia, ser concebida e executada sem o apoio da Otan. Na terça-feira à noite foi acertado um acordo. Obama anunciou que o papel-chave no comando das operações militares na Líbia seria entregue à aliança atlântica.

Esse desfecho foi um revés para a diplomacia francesa, mas não se vê alguma outra solução que pudesse ser adotada.

Além de tudo, o argumento árabe inicialmente agitado por Paris é inoperante hoje porque, de todas as maneiras, a maioria dos povos árabes está insatisfeita com os primeiros ataques e prefere se manter afastada do caso, exceto alguns emirados petrolíferos que dificilmente seriam considerados representativos das massas árabes.

É numa circunstância como essa que se expõem as carências extraordinárias da União Europeia. A política de segurança e defesa do bloco europeu ou inexiste ou é incapaz de agir como um ator decisivo, e isso mesmo numa zona que está às margens da Europa, do Mediterrâneo, este "mar europeu" tão entranhado nos jogos diplomáticos, políticos, econômicos e militares do Velho Continente. / TRADUÇÃO DE CELSO M. PACIORNIK

É CORRESPONDENTE EM PARIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.