Bernadett Szabo/REUTERS
Bernadett Szabo/REUTERS

A pandemia criou uma tempestade perfeita para o boom da cirurgia plástica

Muitas pessoas que trabalham estão gastando mais tempo no Zoom, que não é o mais lisonjeiro dos espelhos; também estão percebendo que não precisarão voltar ao escritório tão cedo, o que tornará mais fácil a recuperação

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de dezembro de 2020 | 06h00

Depois de logar-se horas a fio no Zoom, Sarah Hayes ficou angustiada. “Notei que o meu rosto estava começando a parecer mais velho, com rugas finas, caído”, disse a gerente sênior de programas de uma empresa financeira de New Hampshire. “Estou definitivamente aborrecida com minhas rugas, mais no vídeo do que na vida real”. Então decidiu aplicar Botox.

Vamos chamá-lo de Boom do Zoom. Ou um momento oportuno. Os cirurgiões plásticos do mundo inteiro falam de um número sem precedentes de solicitações deste tipo de procedimento. “Não se sabe se esta é uma demanda reprimida nos meses de fechamento, quando os pacientes não conseguiam fazer estes procedimentos, ou um aumento do interesse por causa de outros fatores em potencial”, explicou Adam Ross, porta-voz da American Society of Plastic Surgeons, acrescentando que a organização só terá as estimativas do número de procedimentos realizados este ano nos primeiros meses de 2021.

Esta é a tempestade perfeita, segundo especialistas da área. Muitas pessoas que trabalham estão gastando mais tempo no Zoom, que não é o mais lisonjeiro dos espelhos. Também estão percebendo que não precisarão voltar ao escritório tão cedo, o que tornará mais fácil a recuperação, e fazer segredo da cirurgia. Os que optam por uma cirurgia facial poderão cobrir o inchaço pós-operatório com uma máscara em público. Acrescente-se a isto o fato de que o acúmulo de pacientes cujos procedimentos foram adiados durante os fechamentos, e será fácil perceber que as salas das clínicas de cirurgiões plásticos e das salas operatórias tornaram-se um lugar muito ambicionado para estar.

Jon Mendelsohn, diretor médico do Advanced Cosmetic Surgery & Laser Center, em Cincinnati, disse que procedimentos injetáveis como o Botox e os preenchimentos aumentaram 90% em comparação com o mesmo período do ano passado. Ele teve de dobrar os dias na sala operatória e estendeu drasticamente o seu expediente. “Durante as consultas virtuais, 9 em cada 10 pessoas comentaram ter notado estas coisas no Zoom", disse Mendelsohn.

Jason Champagne, cirurgião plástico de Beverly Hills, Califórnia, afirmou que muitas pessoas se preocupam com o queixo, a linha do maxilar e o pescoço, no Zoom, porque os ângulos da câmera costumam acentuar estas áreas. “Não estamos acostumados a nos vermos enquanto conversamos com os outros, por isso agora as pessoas prestam atenção aos seus movimentos faciais ao falar”, afirmou Champagne.

Mas o Zoom é responsável apenas em parte pelo grande aumento do interesse, e simples procedimentos injetáveis não são os únicos procurados. Outras pessoas que pensaram em se submeter a uma cirurgia plástica no passado adiaram a ideia porque o pós-operatório exige um considerável período de inatividade – em geral de duas a quatro semanas para procedimentos como plástica no rosto, por exemplo. Mas agora que estão trabalhando em casa, elas decidiram reavaliar esta possibilidade.

“Há pessoas que pensaram que nunca teriam um período de inatividade, porque iam ao escritório todos os dias”, disse Steven Levine, cirurgião plástico de Nova York. Agora que estão trabalhando em casa, acrescentou, elas poderão sentir-se à vontade ao voltar à mesa de trabalho remota apenas alguns dias depois da operação, porque ninguém poderá vê-las.

Outros potenciais pacientes estão aproveitando o fato de que não há nenhum casamento, bar ou bar mitzvah presencial ou férias maiores para se preparar, disse Levine. Além disso, se estiverem empregados, não gastarão dinheiro com estas férias ou com muitas outras atividades anteriores à pandemia, e terão recursos extras para gastar.

O cenário social menos agitado é o motivo pelo qual Iva Marra, estrela do reality show australiano Yummy Mummies, marcou quatro procedimentos com o cirurgião Daniel Lanzer, incluindo lipoaspiração e uma plástica no pescoço. “Os eventos não aumentaram ainda, e não há muitas pessoas saindo, por isso, se todo mundo está em casa, este é o momento perfeito para a recuperação”, afirmou Iva.

Aparentemente, muitos outros australianos concordam. Lanzer disse que o número de pacientes em sua clínica de Melbourne aumentou 200%. Ele teve de contratar mais cinco enfermeiras e quatro recepcionistas extras além da sua equipe de 10. Ele também expandiu suas clínicas em cinco outros estados australianos e acrescentou novos hospitais-dia (indicado quando a permanência do paciente na unidade é requerida por um período máximo de 12 horas) para cirurgia cosmética nas cidades de Melbourne, Sydney, Brisbane e Perth.

Liz Diegle, de Folsom, Califórnia, fez implantes mamários há dez anos, mas concluiu que eram muito pesados. Dez anos e três filhos depois, Liz, que trabalha em vendas de tecnologia educacional, se deu conta de que por um bom tempo não precisaria viajar a trabalho. Então, ela procurou um cirurgião plástico e marcou uma consulta para uma possível mamoplastia e retirada de implantes assim que o consultório, que continua fechado por causa da pandemia, reabrir. “O processo de recuperação será muito melhor, porque eu não precisarei ir para conferências ou viajar a trabalho”, ela disse. “Vou poder ter uma cicatrização e uma recuperação tranquilas”.

Com tantas pessoas solicitando procedimentos ao mesmo tempo, pode ser difícil conseguir uma consulta e marcar cirurgias. Bruce Moskowitz, cirurgião plástico dos olhos e de reconstrução, de Nova York, disse em um e-mail que está tendo “um aumento significativo dos pedidos de injetáveis (Botox, Xeomin, e preenchimentos) e de procedimentos de cirurgia estética como blefaroplastias (plástica das pálpebras), rinoplastias e outras plásticas faciais porque as pessoas trabalham em casa e têm mais tempo de inatividade para a recuperação”. 

Alguns pacientes ofereceram até um pagamento extra para acelerar suas consultas e cirurgias. Ele recusou. Uma das pacientes de Levine propôs levá-lo em um avião particular ao Oriente Médio para que ele realizasse uma plástica facial. Novamente, ele recusou.

A situação na Grã-Bretanha também é competitiva. Clínicas e hospitais associados à Pall Mall Medical, uma seguradora de saúde particular da Inglaterra, fecharam no fim de março e reabriram no dia 1º de junho, com um grande aumento de pedidos de cirurgias plásticas ou em razão de acidentes, além de reservas, em relação ao ano anterior.

“O maior desafio numa época de covid é que tudo leva mais tempo”, disse Trish Adams, diretora de serviços clínicos da Pall Mall. Muitos pacientes esperavam há muito tempo por uma consulta, por causa do fechamento, daí o acúmulo. “Quando você se depara com pacientes que esperam há quatro meses para serem encaixados em um mês, evidentemente isto não irá acontecer”.

Mas, acrescentou, eles nem pensariam em acelerar o seu atendimento com um pagamento extra. “É impossível ser atendido em uma sexta-feira, pagar o dobro e fazer uma abdominoplastia na semana seguinte”, afirmou.

Se você é um paciente em potencial, deve garantir que o seu cirurgião esteja seguindo as recomendações dos Centros de Prevenção e Controle de Doenças, indicou Lanzer, o que inclui limitar as visitas no consultório, realização de testes do novo coronavírus da equipe e dos pacientes, e a exigência de que todos usem máscaras. “Quando realizada obedecendo às medidas de segurança, não há risco de covid na cirurgia estética”, afirmou.

Outro fator a ser considerado de antemão é o que o paciente espera da cirurgia. Suzanne Trott, cirurgiã plástica de Beverly Hills, disse que a questão não é como você parece no Zoom, mas se o que você acha que faz valer a pena ir em frente com uma cirurgia estética. “Quando você se sentir mais confiante, projetará uma imagem mais positiva, e será realmente produtiva e bem sucedida no seu trabalho”, afirmou.

Mas os terapeutas hesitam mais em aconselhar uma cirurgia estética do que um procedimento rápido. “A sua aparência não tem tanto impacto na sua vida quanto você acredita”, disse Michael Mazius, psicólogo do comportamento de Mequon, Wisconsin. “Se você gosta do seu aspecto depois da cirurgia e ela lhe dá uma nova confiança, é improvável que a confiança dure se você não tiver alterado de maneira positiva a arquitetura da sua mente”.

Contudo, os psicólogos não se surpreendem pelo fato de as pessoas recorrerem à cirurgia estética durante a pandemia. Robin Hornstein, psicóloga da Filadélfia, disse que neste momento todos nos sentimos descontrolados, e um passo como este coloca as pessoas no controle de algo. 

Além disso, ela afirmou, é importante lembrar que as reuniões em vídeo são uma nova situação para a maioria das pessoas. “Deste modo, uma cirurgia plástica inspirada pelo Zoom pode estar baseada em uma nova realidade, e eu tomaria cuidado com o julgamento que isto pode inspirar a respeito da sua aparência”, ela falou. “Eu, por exemplo, estou cansada de olhar para o meu rosto todos os dias – e gosto de mim mesma.”

Você não deve esperar que a cirurgia a deixará feliz, ela acrescentou. Contudo, pode ser que apague as rugas da sua testa. / W. POST, TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.