Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

‘A política externa de Bolsonaro é de combate’, diz Celso Lafer

Ex-chanceler dos governos Collor e FHC alerta que o Brasil deixou de lado a diplomacia cooperativa 

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2020 | 20h57

O diplomata Celso Lafer, ex-ministro das Relações Exteriores nos governos Fernando Collor de Mello e Fernando Henrique Cardoso, afirmou nesta segunda-feira, 9, que a diplomacia do governo do presidente Jair Bolsonaro rompe a tradição do Itamaraty por ser de “enfrentamento”. 

“A política externa que Bolsonaro conduz é uma diplomacia de combate. A tradição no Brasil é a diplomacia de cooperação, que traduz necessidades internas em possibilidades externas”, afirmou o ex-chanceler na aula inaugural para alunos do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de São Paulo (IRI-USP).

Cooperação entende-se, por exemplo, como a solução pacífica de controvérsias, a prevalência dos direitos humanos e a não intervenção. “Princípios que embasam a tradição diplomática no Brasil e não se inserem, com elegância hermenêutica, na diplomacia de combate.”

O professor da Faculdade de Direito da USP explicou que em um cenário internacional complexo – com tensões nas altas esferas de poder, como a disputa entre EUA e China e os conflitos no Oriente Médio – é preciso promover o diálogo. “Não tem como resolver esses assuntos a não ser mediante um esforço de entendimento. Uma diplomacia construtiva, como o Brasil deveria fazer e é de sua tradição, seria importante para ajudar a criar um clima nesse sentido.”

O ex-chanceler destacou ainda que ao Brasil interessa o bom funcionamento do sistema internacional e ressaltou que o País tem construído sua participação global por meio de sua vocação pacífica. Para Lafer, a política de combate “afasta e não agrega, mais subtrai do que qualquer outra coisa”. “O presidente conduz sua estratégia de governo da mesma maneira como conduziu sua estratégia eleitoral: pela polarização”, disse. 

Lafer afirmou que é pouco provável alcançar um expressivo número de membros da comunidade internacional com tal abordagem. Ele também citou a vinculação entre Bolsonaro e Donald Trump, qualificada como “excessiva” e que “não contribui para a maior presença do Brasil no mundo”.

Sobre meio ambiente, Lafer indicou que a posição do Brasil afeta as negociações, como o acordo Mercosul-União Europeia. “A maneira pela qual o governo conduz a temática tende a fortalecer a resistência.” 

Ele também citou a reação dos consumidores e de fundos de investimento ao não comprarem e não investirem em companhias caso desaprovem seus padrões de sustentabilidade. “É muito significativo e traduz uma restrição de recursos para o Brasil.” 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.