A popularidade de Kirchner diminuiu, diz pesquisa

A popularidade do presidenteNéstor Kirchner diminuiu em 21% em relação a março, segundopesquisa divulgada nesta quarta-feira. Na sondagem por telefone, encomendada pela Fundação Di Tella, foram ouvidas 800 pessoas na capital, Buenos Aires, seussubúrbios e em cinco cidades do interior do país.A imagem positiva de Kirchner, que completará um ano nogoverno em 25 de maio, é agora de 53% contra 74% no mêsanterior.Cerca de 75% dos consultados opinaram que o governo estáresolvendo corretamente os problemas do país, o que representauma diminuição de 10% nesse item em relação a março. O professor Sergio Berensztein, da Universidade Di Tella que dirigiu a enquete, explicou ao jornal La Nación que atribuia queda de popularidade do presidente a vários incidentespolíticos e econômicos ocorridos neste último mês. "Considero que a decisão tomada em 24 de março arespeito da Escola de Mecânica da Marinha (ESMA, por sua siglaem espanhol), a crise energética, os confrontos no congresso doPartido Justicialista e as exigências por maior segurança sejamos motivos dessa queda", afirmou. Em 24 de março, Kirchner destinou o edifício da ESMA, umcentro de torturas durante a ditadura, para um futuro Museu daMemória. A medida obteve aprovação entusiástica por parte de Ongsdefensoras dos direitos humanos, mas provocou receio entre ossetores moderados e de direita. Berensztein também destacou que a queda de popularidade"é um sinal amarelo, mas ainda há muito crédito para o governorecuperar o terreno".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.