A posição do Brasil em relação ao Irã

Embora hesite em tomar uma posição oficial antes da divulgação oficial do relatório da AIEA, o Itamaraty tende a rejeitar a adoção de novas sanções ao Irã. Na avaliação da diplomacia brasileira, as sanções podem ser ineficazes e não trazer o efeito pretendido pelas potências ocidentais, de enfraquecer o regime persa. Na gestão de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010), o Brasil aproximou-se diplomática e comercialmente do Irã. O presidente Mahmoud Ahmadinejad visitou Brasília e Lula, Teerã.

O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2011 | 03h06

No ano passado, o ex-presidente intermediou, ao lado da Turquia, um acordo para que o Irã enriquecesse urânio fora do país. O pacto foi rejeitado pelos Estados Unidos e países europeus, que impuseram no Conselho de Segurança uma nova rodada de sanções ao país dos aiatolás.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.