Yahya Arhab/Efe
Yahya Arhab/Efe

A primavera perdida dos países árabes

Após revoluções, nações tentam se reerguer sem líderes autocráticos e por meio de eleições

Gilles Lapouge, correspondente

16 Dezembro 2011 | 22h00

PARIS - Como era bela a primavera dos países árabes, há um ano! Em dezembro de 2010, na Tunísia, um miserável vendedor ambulante, Mohammed Buazizi, imolou-se e, de uma extremidade à outra do país, as manifestações sucederam-se numa verdadeira torrente, numa onda de indignação, de coragem, de alegria. Sem líderes, sem partidos, sem chefes de orquestra, sem a "mão do estrangeiro". O "marco zero" da desgraça e da revolta, ao mesmo tempo.

 

Em Túnis, em seus belos palácios, o ditador Zine el-Abidine Ben Ali, paralisado, não compreendeu nada. Ficou amedrontado e fugiu. Em 14 de janeiro, caiu. As ruas ganharam a batalha. Começava a Primavera Árabe que se alastraria como um rastilho de pólvora por todo o Magreb.

 

A esperança e o heroísmo são contagiosos. Dias depois, em 25 de janeiro, as ruas levantavam-se no Egito. No centro do Cairo, a Praça Tahrir foi invadida. O velho déspota Hosni Mubarak assustou-se. Em 11 de fevereiro, também fugiu. O mundo ficou perplexo. Não seria um engano, um truque? Uma ilusão de ótica?

 

As pessoas começaram a sonhar. Será que isso continuaria? Bastou que uns miseráveis de pés no chão os pressionassem para que estes tiranos de segunda categoria - que o Ocidente vergonhosamente protegeu durante 25 anos - saíssem, com o rabo entre as pernas.

 

E se isso continuasse? E continuou! Foi a vez de os miseráveis atacarem um tirano mais ameaçador, o coronel Muamar Kadafi, o bufão que os europeus haviam bajulado por tanto tempo. Kadafi tinha o Exército ao seu lado e o povo líbio não conseguiu derrubá-lo. Então, o filósofo francês Bernard-Henry Lévy conseguiu habilmente fazer com que o presidente Nicolas Sarkozy se voltasse contra Kadafi. A Grã-Bretanha o imitou, e, logo depois, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Os combates foram violentos. Kadafi morreu e a Líbia libertou-se. O incêndio espalhou-se por outras plagas: o Iêmen levantou-se e, na Síria, começaram os tumultos.

 

E o que a Primavera Árabe se tornou, depois de alguns meses? Na Síria, os combates continuam, mas nos três primeiros países libertados, Tunísia, Egito e Líbia, começou o processo de reinstalação de governos civis, constitucionais e democráticos. Foram realizadas eleições. Mas o resultado foi inquietante. O que resta agora da euforia e da festa, à saída das urnas? Nada de tão palpitante. Onde está a bela Primavera Árabe? Será inútil procurá-la, desapareceu. Bastaram seis meses para que se tornasse uma primavera perdida.

 

O primeiro país a se libertar, a Tunísia, foi às urnas em 23 de outubro. Eleições irrepreensíveis, com grande afluência dos votantes, um modelo de democracia. Mas o resultado não foi o esperado. Os grandes vencedores não foram os liberais, os democratas, os jovens indignados de janeiro, mas os islâmicos do partido Ennahda.

 

As eleições no Egito foram mais complexas do que na pequena Tunísia. Elas se realizam em várias fases. A primeira já passou e os resultados já são conhecidos. A lição foi praticamente a mesma da Tunísia: os liberais e os democratas foram esmagados pelos islâmicos, que obtiveram 63% dos votos.

 

Como ocorreu na Tunísia, os islâmicos egípcios têm duas variantes. Uma variante tranquila: o Partido da Justiça e da Liberdade, que recebeu 37% dos votos. É o partido da Irmandade Muçulmana, que desempenhou um papel significativo no despertar do Islã. Seus chefes são homens idosos, dotados de uma boa formação intelectual que excluem os extremistas; eles se contentam em recomendar uma volta a um Islã conservador. Ainda invocam o exemplo dos islâmicos moderados no poder na Tunísia, um Islã tolerante.

 

O caso da Líbia é mais indefinido. A guerra que os revoltosos travaram contra os soldados de Kadafi deixou sequelas assustadoras. A nova Líbia é um país demolido, fragmentado, dilacerado pelos ódios e as lembranças.

 

Se acrescentarmos que, no Oriente Médio, a Síria oscila depois de nove meses de combates ignobilmente travados por Assad, conviremos que o rosto da primavera do Magreb e do Oriente Médio é às vezes crispado. Embora o movimento continue alimentando esperanças, defronta-se com dois perigos extremos: por um lado, o retorno dos militares preocupados em impedir o caos. Por outro, o que é talvez ainda pior, o avanço, num prazo mais ou menos longo, das cortes do islamismo radical por intermédio dos salafistas e dos bandos de fanáticos. Ninguém perdeu e ninguém ganhou. Mas a esperança ingênua e obtusa daqueles que estavam convencidos de que a democracia desceria, "como uma pomba", sobre o Magreb e o Oriente Médio, revela-se um gigantesco erro de análise.

 

Inverno

 

Em todo caso, há um país para o qual esta primavera foi um "inverno": Israel. Os israelenses temem, acima de tudo, que os equilíbrios estratégicos da região se deteriorem em detrimento do seu país.

 

Jamais Israel esteve mais isolado do que hoje. Na capital israelense, as interrogações voltam-se para o Egito que, em 1979, assinou com Israel um tratado que preservava a paz entre os dois países. De fato, se um grupo islâmico tomar o poder no Cairo, mesmo na forma moderada da Irmandade Muçulmana, poderá esvaziar o tratado de 1979, pondo fim ao diálogo com os israelenses em favor do Hamas, os palestinos islâmicos de Gaza, inimigos mortais de Israel.

 

Por outro lado, na fronteira entre Egito e Israel estende-se o Deserto do Sinai, onde hoje reina a anarquia mais desoladora. Ora, sempre que existir um vácuo de poder, será preenchido pelas organizações terroristas. É o que constatamos na Somália, onde o desaparecimento do Estado engendrou um terrorismo apavorante. Ao que tudo indica, o Sinai está seguindo o mesmo caminho.

 

É este o panorama instável, fluido e indefinido que as primaveras árabes deixam atrás de si. Ninguém pode prever o rumo que os acontecimentos tomarão. Uma coisa é certa: o equilíbrio precário que se estabeleceu no Oriente Médio, com picos da violência mais sinistra de tempos em tempos, foi quebrado. A subversão é total. Procuram-se novas relações de força, solidariedades inéditas, inimizades desconhecidas.

 

Ninguém sabe para que equilíbrios mais ou menos vertiginosos este imenso redemoinho nos levará. O que parece infelizmente provável é que a maravilhosa temporada das revoltas dos jovens contra os opressores se encerrou. E os vencedores não serão necessariamente os que criaram o movimento, com a própria morte, os democratas, os pacíficos ou os razoáveis. Na sombra, negros batalhões preparam grandes manobras.

 

É CORRESPONDENTE EM PARIS

 

TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.