REUTERS/Olivia Harris
REUTERS/Olivia Harris

A relação entre Charles e Camilla, apelidada por Diana de ‘rottweiler’

Por muito tempo, a atual mulher do príncipe foi criticada e rotulada como sabotadora de casamentos por arruinar o conto de fadas vivido por ele e Lady Di

O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2017 | 16h10

LONDRES - O aniversário da morte de Diana de Gales volta novamente os holofotes para a atual mulher do príncipe Charles: Camilla, "a outra", a quem a princesa chegou a apelidar de "a rottweiler".

Durante anos, Camilla Parker Bowles foi criticada e rotulada como uma sabotadora de casamentos, responsável por arruinar o conto de fadas vivido por Charles e Diana. Mas agora desfruta de uma aceitação relativa por parte dos britânicos.

Depois da morte da princesa em 1997, Camilla e Charles assumiram seu antigo romance, no início discretamente e, depois, de modo transparente, com sua união oficial em 2005. Ela se tornou duquesa da Cornuália ao se casar com o herdeiro do trono e poderá ser princesa consorte, caso seu marido chegue a ser rei.

"Camilla não tinha qualquer ambição de virar princesa, duquesa, sequer rainha", escreveu Penny Junor, biógrafa do príncipe Charles, em 2015. "Só queria estar com o príncipe de Gales, dar a ele seu apoio. Seu casamento devolveu vida a Charles.”

Passado

Camilla Shand - seu nome original - nasceu em Londres no dia 17 de junho de 1947 e teve uma criação muito tradicional. Neta do nobre lorde Ashcombe, alternou estudos em escolas de Londres, Suíça e França, com a vida familiar na mansão campestre do condado de Sussex, sul da Inglaterra.

Atraente e cheia de confiança, Camilla conheceu o príncipe em uma partida de polo no início dos anos 1970 e, mais tarde, tornaram-se íntimos, passando tempo juntos nos apartamentos privados de Charles, no Palácio de Buckingham.

No entanto, Camilla nunca acreditou que Charles a pediria em casamento e acabou se unindo ao militar Andrew Parker Bowles, com quem teve dois filhos. Os sentimentos resistiram ao tempo, e Charles continuou vendo Camilla mesmo depois de se casar, em 1981, com Diana.

A relação se intensificou no fim daquela década, coincidindo com o término do casamento de Charles, como provaram as famosas conversas telefônicas entre os amantes divulgadas pela imprensa na época.

Camilla e Andrew Parker Bowles se divorciaram em 1995, um ano antes de Charles e Diana. Após a morte da princesa, mantiveram a discrição, mas pouco a pouco ficou evidente que conviviam como um casal. Depois de um cuidadoso planejamento que levou meses, eles fizeram sua primeira aparição pública em 1999.

Entusiasmo

Charles e Camilla se casaram em Windsor, onde a família real tem um castelo, no dia 9 de abril de 2005, em uma cerimônia civil que também teve uma bênção religiosa na presença da rainha Elizabeth II.

Estando ambos divorciados, debateu-se muito se podiam casar na igreja e sobre o futuro papel de Charles como governador supremo da Igreja da Inglaterra, caso ascendesse ao trono. Apesar disso, o casamento - que foi atrasado em um dia para permitir que o noivo assistisse aos funerais do papa João Paulo II - atraiu uma entusiasmada multidão de 20 mil pessoas às imediações do Castelo de Windsor.

Depois do casamento, os dois se integraram aos deveres típicos da família real: das inaugurações às visitas ao exterior, passando pelas férias em Balmoral, na Escócia, enquanto Camilla continua cultivando sua imagem de aristocrata inglesa, amante do tweed e dos cavalos.

Com o tempo, ganhou o afeto da família real, incluindo os filhos de Diana, William e Harry. "Os meninos amavam sua mãe e sabiam o que ela pensava de Camilla, mas, ao mesmo tempo, percebiam que seu pai se sentia sozinho e essa mulher alegrava a vida dele", escreveu Penny em um artigo no Daily Telegraph em razão do 10.º aniversário do casamento de Charles e Camilla. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.