EFE/EPA/NABIL MOUNZER
EFE/EPA/NABIL MOUNZER
Imagem Lourival Sant'Anna
Colunista
Lourival Sant'Anna
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A Revolução do WhatsApp que chacoalhou o Líbano

Imposição de novos impostos sobre o uso do aplicativo levou um quarto da população do país às ruas na última semana

Lourival Sant'Anna, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2019 | 16h00

A semana que passou foi movimentada, com a reeleição fraudulenta de Evo Morales na Bolívia, a perspectiva da volta da esquerda ao poder na Argentina, as manifestações no Chile e a importante visita do presidente Jair Bolsonaro à China. Mas talvez nossa audiência não tenha percebido o significado do que ocorreu no Líbano, distante geograficamente, porém muito próximo, pela existência de 8 milhões de brasileiros de origem libanesa (o dobro da população do país).

A chamada “Revolução do WhatsApp” tem uma série de implicações e lições, para o Líbano, para o Oriente Médio e para culturas em que o compadrio fala mais alto do que a meritocracia, e o Estado é capturado por grupos com capacidade de pressão, como é o caso também do Brasil.

As manifestações do Líbano são extraordinárias já pelo tamanho: calcula-se que um quarto da população de 4 milhões de habitantes saiu às ruas. Isso torna o movimento maior do que a Revolução do Cedro, que em 2005 obrigou a Síria a se retirar do país, que ocupava desde o fim da guerra civil, em 1990, e está acostumada a influenciar desde sempre.

Mas o significado vai muito além do tamanho. O próprio motivo que desencadeou os protestos já é, para mim, extremamente revelador: a imposição de novos impostos sobre o uso do WhatsApp. Essa plataforma é vista pelos libaneses – e por todos que a usam no mundo – como uma inovação tecnológica e de modelo de negócios, que nos libertou das pesadas tarifas impostas pelas operadoras de telefonia, para chamadas internacionais e locais.

Em certo sentido, o Estado libanês representa o oposto disso. É uma máquina de transferência de riqueza do setor produtivo para membros de famílias influentes, que o loteiam e extorquem proporcionalmente ao poder de cada grupo sectário: cristãos de diversas seitas, muçulmanos sunitas e xiitas e drusos. 

Que uma estrutura arcaica e parasitária como essa quisesse sobretaxar o uso do WhatsApp, um benefício associado à inovação e ao mérito de quem o criou, representou para os libaneses a gota d’água. É claro que a taxa do WhatsApp apenas fez derramar um copo cheio de indignação. Mas é muito significativo que tenha sido esse o gatilho. 

As manifestações fizeram eclodir também o descontentamento da população xiita com o Hezbollah e a Amal, os dois grupos políticos e, no caso do Hezbollah, armado, que supostamente a representariam. E isso foi algo realmente novo. Até recentemente, os xiitas não ousavam enfrentar publicamente esses dois partidos.

Havia uma crença segundo a qual criticar suas lideranças seria criar divisões entre os xiitas e, com isso, abrir o flanco para os outros grupos sectários, na disputa pelo poder político e econômico no Líbano.

Os manifestantes rasgaram cartazes de Nabih Berri, líder da Amal e presidente do Parlamento desde 1992, e gritaram palavras de ordem contra Hassan Nasrallah, o todo-poderoso dirigente do Hezbollah.

O “Partido de Deus” enviou para as ruas os seus violentos milicianos, para reprimir os manifestantes, que dessa vez, no entanto, os enfrentaram corajosamente. E foram protegidos por soldados do Exército, que no passado se desfazia na prática sempre que havia uma crise, porque seus integrantes deviam mais lealdade a seus líderes tribais do que ao país.

Na Revolução do Cedro, emergiu um sentimento nacional, algo que falta a esse país tão fragmentado. Mas faltava a presença dos xiitas, naquele momento ainda apegados a um instinto de preservação perante sunitas e cristãos.

A participação dos xiitas nas atuais manifestações é um marco no surgimento de uma nova geração que se sente libanesa antes de tudo. Esse é o primeiro passo para a reforma radical de que o Estado libanês tanto precisa.

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    Líbano [Ásia]Whatsappprotesto

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.