Reprodução/Twitter
Reprodução/Twitter

Boris Johnson diz que saída pode ser um 'esplêndido sucesso'

Vídeo foi publicado no Twitter oficial do premiê na noite desta sexta-feira, 31

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2020 | 19h16

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson afirmou em discurso que a saída do Reino Unido da Europa pode ser um ‘esplêndido sucesso’. O vídeo foi publicado no Twitter oficial do premiê na noite desta sexta-feira, 31, uma hora antes da oficialização do Brexit. 

No vídeo, Johnson afirma entender os diferentes sentimentos que os ingleses experimentam neste momento –  destacando que há aqueles que encaram o Brexit como um 'momento de esperança' e outros que experienciam 'ansiedade e 'perda'. 

“Eu entendo todos esses sentimentos e nosso trabalho, enquanto governo – o meu trabalho – é unir este país agora e nos levar à frente”, disse.  E acrescentou: “a coisa mais importante para dizer hoje à noite é que este não é um final, mas um começo. Este é o momento em que amanhece e a cortina sobe em um novo ato no nosso grande drama nacional”. 

Confira a íntegra do discurso:

"Hoje estamos saindo da União Europeia.

Para muitas pessoas, este é um momento surpreendente de esperança, um momento que eles pensavam que nunca chegaria. E há muitos, é claro, que sentem uma sensação de ansiedade e perda.

E depois há um terceiro grupo – talvez o maior – que começou a se preocupar com o fato de que toda a disputa política nunca chegaria ao fim.

Entendo todos esses sentimentos e nosso trabalho como o governo – meu trabalho – é reunir este país agora e nos levar adiante.

A coisa mais importante a dizer hoje à noite é que isso não é um fim, mas um começo. É o momento em que o amanhecer se abre e a cortina sobe em um novo ato em nosso grande drama nacional.

E sim, trata-se em parte de usar esses novos poderes – essa soberania recapturada –para realizar as mudanças pelas quais as pessoas votaram. Seja controlando a imigração, ou criando franquias, ou liberando nossa indústria pesqueira, ou fazendo acordos de livre comércio. Ou simplesmente fazendo nossas leis e regras para o benefício das pessoas deste país.

E é claro que acho que é a coisa certa, saudável e democrática a se fazer. Porque, por todos os seus pontos fortes e por todas as suas qualidades admiráveis, a UE evoluiu mais de 50 anos em uma direção que não se adequa mais a este país.

E esse é um julgamento que você, o povo, confirmou agora nas pesquisas. Não uma, mas duas.

E, no entanto, este momento é muito maior que isso. Não se trata apenas de uma liberação legal, é potencialmente um momento de verdadeira renovação e mudança nacional.

Este é o início de uma nova era na qual não aceitamos mais que suas chances de vida – as de sua família – dependam de em que parte do país você cresce.

Este é o momento em que realmente começamos a nos unir e subir de nível: derrotando o crime, transformando nosso NHS, e com melhor educação, com excelente tecnologia e com o maior renascimento de nossa infraestrutura desde os vitorianos, espalharemos esperança e oportunidade para todas as partes do Reino Unido

E se conseguirmos acertar, acredito que a cada mês que passa, cresceremos em confiança, não apenas em casa, mas no exterior. E em nossa diplomacia, nossa luta contra as mudanças climáticas, nossas campanhas por direitos humanos, educação feminina, redescobriremos os músculos que não usamos há décadas. O poder do pensamento e ação independentes

Não porque queremos prejudicar tudo o que nossos amigos da UE fizeram – é claro que não.

Queremos que este seja o começo de uma nova era de cooperação amigável entre a UE e uma enérgica Grã-Bretanha.

Uma Grã-Bretanha que é simultaneamente uma grande potência europeia e verdadeiramente global em nosso alcance e ambições.

E quando olho para os ativos incríveis deste país, nossos cientistas, nossos engenheiros, nossas universidades líderes mundiais, nossas forças armadas, quando olho para o potencial deste país que está prestes a ser lançado, sei que podemos transformar essa oportunidade em um sucesso esplêndido.

E quaisquer que sejam os obstáculos na estrada à frente, sei que teremos sucesso.

Obedecemos ao povo, recuperamos as ferramentas do autogoverno.

Agora é a hora de usar essas ferramentas para liberar todo o potencial deste país brilhante e melhorar a vida de todos em todos os cantos do nosso Reino Unido. ”

Despedida final

O Brexit acontecerá às 20h desta sexta-feira, 1.317 dias após a decisão dos britânicos de deixar a União Europeia. No entanto, o texto final do acordo prevê um período transitório até 31 de dezembro de 2020, durante o qual os britânicos seguirão aplicando e sendo beneficiados pelas normas europeias.

A transição busca evitar uma ruptura abrupta, especialmente para as empresas, e dar tempo para negociar a futura relação entre Londres e a UE.

Segundo o acordo, o período pode ser prorrogado até o fim de 2022 no máximo. Mas o Primeiro-ministro britânico Boris Johnson rejeita a possibilidade e incluiu no projeto de lei apresentado aos deputados um dispositivo que proíbe qualquer extensão da transição.

Tudo o que sabemos sobre:
Boris Johnson

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.