Reprodução
Reprodução

A uma semana do início das primárias, Obama faz defesa discreta de Hillary

Casa Branca afirma que presidente não pretende entrar na campanha eleitoral; rival Sanders, segundo ele, tem vantagem de ser um 'fator novo'

O Estado de S. Paulo

25 Janeiro 2016 | 17h14

WASHINGTON - A uma semana do início das primárias do processo eleitoral americano, o presidente Barack Obama destacou nesta segunda-feira, 26, a “experiência extraordinária” de sua ex-secretária de Estado e pré-candidata democrata, Hillary Clinton. Ela lidera as intenções de voto do partido na disputa pela Casa Branca, em uma briga que tem outros dois nomes, o senador Bernie Sanders e o ex-governador (Maryland) Martin O’Malley. 

Sanders ganhou força nos últimos meses, especialmente no Estado de Iowa, onde ocorrerá a primeira primária, na segunda-feira. Para Obama, no entanto, o crescimento do senador se deve à forte vigilância que ele tem feito a Hillary, o que lhe deu destaque na disputa. 

A Casa Branca afirmou anteriormente que Obama ficaria de fora das campanhas nas primárias democratas e dificilmente apoiaria alguém. Durante a campanha, porém, Hillary tem sido a mais contumaz em defender que ela é a herdeira da política de Obama e quem vai manter seu legado. 

Em uma entrevista ao site Politico, difundida hoje, Obama evitou tomar partido na disputa democrata. No entanto, Obama analisou os aspectos mais fortes e mais fracos de sua ex-secretária de Estado e destacou sua inteligência e experiência. “Ela tem uma experiência extraordinária e é incrivelmente inteligente, conhece tudo de política. Às vezes, isso pode fazer com que ela seja mais cautelosa”, comentou. 

“Hillary tem, ao mesmo tempo, o privilégio e o problema de ser considerada favorita”, afirmou, alegando que Sanders tem a seu favor o fator surpresa, já que, apesar de ter muitos anos de Senado, não é tão conhecido internacionalmente.

Obama, no entanto, destacou a autenticidade de Sanders, e assinalou que “há pessoas que se inclinam para o que é novo, e isso é uma vantagem para ele”. “Hillary é dura, já passou por isso antes e pode prever isso. Se você é um líder na corrida, então fica sob mais vigilância e todos vão te provocar”, declarou Obama. / AFP e AP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.