EFE/Luis Ayala
EFE/Luis Ayala

A vida de luxo de uma fugitiva mexicana em Londres

Uma ordem de prisão foi emitida contra a mulher de ex-governador do Estado mexicano de Veracruz, acusada de corrupção

O Estado de S.Paulo

30 Maio 2018 | 20h08

LONDRES - Vivendo em um dos bairros mais exclusivos de Londres – a um quilômetro do Palácio de Buckingham – Karime Macías achou que estava a salvo para gastar os milhões de dólares desviado em um esquema de corrupção no Estado mexicano onde seu marido, Javier Duarte, foi governador. 

Com uma rotina luxuosa na capital britânica, seus gastos mensais foram estimados em cerca de US$ 79 mil, entre aulas de ioga, de idiomas, academias, entre outros. Ela também possui imóveis na Europa e nos EUA. 

Para seu marido, porém, as coisas não vão tão bem. Ele está preso na Cidade do México onde enfrenta vários processos penais, como peculato, tráfico de influência e não cumprimento do dever, entre outros delitos. 

Tudo ia bem para Karime até ser descoberta pelas autoridades mexicanas. O dia a dia bancado pelo dinheiro de corrupção foi exibido em um vídeo de oito minutos e fotografias apresentados pelo atual governador de Veracruz, Miguel Ángel Yunes Linares, em uma entrevista coletiva. “Nos surpreendemos que em Londres ela continue a vida de luxo e corrupção, que o dinheiro de veracruzanos continua sendo usado para bancar sua vida em abundância”, acusou o governador. 

Uma ordem de prisão foi emitida no fim de semana e ela é acusa pela Procuradoria de Veracruz pelo desvio de recursos públicos de cerca de US$ 5,7 milhões. No entanto, esse valor pode ser maior. 

+ Conheça o Corruptour, o tour da corrupção no México

A ONG Mexicanos Contra a Corrupção e a Impunidade (MCCI) denunciou ontem que Karime desviou cerca de US$ 21,2 milhões por meio de 33 empresas fantasma. Segundo a ONG, quando ela era presidente honorária do Sistema Estatal para o Desenvolvimento Integral da Família (DIF), esse organismo entregou esse valor a uma rede de 33 empresas fantasma. 

“Os depósitos às empresas fantasmas por parte do DIF foram feitos entre 2011 e 2016 e a cifra é quase quatro vezes superior à quantia supostamente desviada que permitiu à Procuradoria de Veracruz obter uma ordem de apreensão contra Karime Macías”, afirmou a ONG.

De acordo com as investigações, a mulher de Duarte emitiu contratos a empresas fantasmas, companhias inexistentes que cobraram do governo estatal sem jamais entregar qualquer serviço pelo qual foram contratadas. 

“Karime Macías é peça-chave na trama de corrupção do governo de Duarte, não apenas a mulher do governador. É um ator importante nessa trama de corrupção. Prendê-la é abrir a porta para um escândalo brutal”, declarou o governador Yunes Linares. / EFE e AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.