Abaixo-assinado aponta saída eleitoral para a Venezuela

A entrega dos dois milhões de assinaturas a favor de uma saída mais rápida do presidente Hugo Chávez do poder abre caminho para uma solução eleitoral para a séria crise venezuelana. A contagem regressiva para um referendo começou nesta terça-feira, após as autoridades do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) iniciarem a verificação da autenticidade das assinaturas entregues pelos grupos opositores. A corrente a favor do referendo cresce, enquanto o governo insiste em abrir um processo de diálogo com a oposição para adiar a convocação da consulta até agosto do próximo ano.O presidente do CNE, Roberto Ruiz, declarou que espera concluir, dentro de um mês, o processo de verificação das assinaturas e a avaliação jurídica da possível consulta popular. O dirigente do partido opositor Pimeiro Justiça, Juan Manuel Rafalli, afirmou que a oposição insistirá para que o referendo se realize em 4 de dezembro. Já as autoridades eleitorais mantêm reservas sobre a possibilidade de a consulta se realizar no curto prazo, devido aos problemas operacionais e financeiros do CNE.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.