Abbas aceita professor para cargo de primeiro-ministro

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, aceitou a nomeação de Mohammad Shubair, um professor independente, mas próximo ao movimento islâmico Hamas, para liderar o próximo governo de união nacional, informaram neste domingo, 19, fontes próximas às negociações. As fontes indicaram que o Hamas apresentou a Abbas, líder do movimento nacionalista Fatah, uma lista de personalidades para o cargo e que o presidente escolheu Shubair. Abbas e Shubair realizaram uma primeira reunião na noite de sábado, 18. Shubair, de 60 anos, foi reitor da Universidade Islâmica de Gaza, onde continua lecionando. O governo de união nacional deve ter nove ministros nomeados pelo Hamas, seis pelo Fatah, cinco independentes e quatro em representação de outras formações políticas, segundo a edição deste domingo do jornal palestino Al-hayat Aljadeeda. O Hamas e o Fatah concordaram em que seus ministros não sejam figuras do primeiro escalão dos dois movimentos. Ainda não se sabe se a comunidade internacional, especialmente a União Européia (UE) e os Estados Unidos, levantarão, para um governo com tais características, o bloqueio político e econômico imposto ao Hamas. Além disso, o jornal assinala que o ministro de Assuntos Exteriores será provavelmente o independente Ziyad Abu Amr, o de Interior será o atual vice-primeiro-ministro, Nasser As Sha´er, e o de Finanças continuará sendo o mesmo de agora, ou seja, Omar Abdel-Razeq, os dois últimos vinculados ao Hamas. Por outro lado, o ex-ministro das Finanças, Salam Fayyad, que se apresentou junto com Hanan Ash Sharawi na plataforma alternativa às eleições de janeiro, seria o próximo ministro de Governo Local. As negociações para a formação de um governo de união nacional se encontram em um estado avançado e fontes ligadas às conversações afirmaram que o novo Executivo poderia ser anunciado no final deste mês.

Agencia Estado,

19 Novembro 2006 | 16h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.