Abbas aceita renúncia de primeiro-ministro palestino

O presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, aceitou neste sábado o pedido de renúncia do primeiro-ministro da Palestina, Salaam Fayyad, deixando os palestinos sem sua voz mais moderada e bem respeitada, enquanto os EUA estão fazendo um novo forço em direção à paz no Oriente Médio.

AE, Agência Estado

13 de abril de 2013 | 16h25

Um comunicado da agência de notícias da Palestina Wafa afirmou que Abbas se reuniu com Fayyad no fim do dia e aceitou o pedido de renúncia do primeiro-ministro, agradecendo a ele pelos serviços prestados. De acordo com o comunicado, o presidente palestino pediu a Fayyad para que continue no cargo até que um novo governo seja formado. Abbas deverá nomear um novo primeiro-ministro nos próximos dias, de acordo com fontes palestinas.

Abbas e Fayyad estavam em uma disputa cada vez mais amarga sobre a extensão da autoridade do primeiro-ministro. Fayyad, apresentou sua renúncia na quinta-feira, mas Abbas não tinha respondido até este sábado. A saída do primeiro-ministro pode significar problemas para Abbas. Fayyad, um economista formado no Ocidente, é bem respeitado nos círculos internacionais, e esperava-se que ele fosse desempenhar um papel-chave nos esforços dos EUA para relançar as negociações de paz.

Como parte desse esforço, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, afirmou que planejava anunciar nos próximos dias uma série de medidas para impulsionar a economia da Cisjordânia. Fayyad, um ex-funcionário do Fundo Monetário Internacional (FMI) com experiência em desenvolvimento, seria central para supervisionar esses projetos.

Fayyad estava no cargo de primeiro-ministro da Autoridade Palestina desde meados de 2007. O político de 61 anos de idade concentrou seus esforços no desenvolvimento das bases de um Estado palestino independente. A relação entre Fayyad e Abbas estava tensa há algum tempo. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
palestinafayyadrenúncia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.