Abbas condena ataque palestino em balneário israelense

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, condenou o ataque suicida na cidade de Eilat, que matou três pessoas no sul de Israel, na segunda-feira. "Eu condeno isso, pois não traz benefícios a nenhum de nós", disse Abbas, após reunir-se com o presidente do Egito, Hosni Mubarak, nesta terça-feira.O ataque palestino ameaçou acabar com um cessar-fogo, declarado há dois meses, entre o Estado judeu e os palestinos na Faixa de Gaza. Porém, Abbas descartou a possibilidade de suspender a trégua. "Eu não acredito que essa operação, por si só, acabará com o acordo de paz entre nós e os israelenses", afirmou.Abbas, que é ligado ao Fatah, alegou ainda se "sentir mal" com os recentes confrontos entre essa facção e o Hamas, que resultaram na morte de pelo menos 30 pessoas nos últimos cinco dias, na Faixa de Gaza.Força ExecutivaO presidente palestino disse nesta terça-feira que a Força Executiva criada pelo Hamas será dissolvida por ser inconstitucional. De acordo com ele, trata-se de uma unidade ilegal, "pois a criação de uma força de segurança requer uma lei".Ao abordar suas negociações com o Hamas, em busca da formação de um novo governo, Abbas disse que os integrantes do grupo concordarão "em dissolver somente a Força Executiva e que algumas de suas tropas se juntarão ao aparato de segurança".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.