Abbas diz ter garantias de que repórter da BBC está vivo

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, recebeu garantias de que um jornalista da BBC seqüestrado em março na Faixa de Gaza continua vivo, apesar de um grupo islâmico ter anunciado sua morte, disse um assessor nesta quinta-feira, 18. O negociador Saeb Erekat, que acompanha Abbas em visita à Suécia, disse que as autoridades estão trabalhando pela libertação do jornalista Alan Johnston, desaparecido desde 12 de março. Um e-mail enviado no domingo a órgãos de imprensa em nome das Brigadas Tawhid e Jihad disse que o grupo, até então desconhecido, havia matado Johnston e divulgaria um vídeo do assassinato. Erekat, que participa da viagem de Abbas como parte de uma ofensiva diplomática para incentivar a União Européia a retomar a ajuda financeira ao governo palestino, disse que não há confirmação dessa notícia. "Todas as fontes em Gaza informaram ao presidente que, ao contrário desses relatos, o senhor Johnston está vivo", afirmou. "O presidente recebeu garantias de que ele está vivo, e todos os esforços estão sendo exercidos agora para obter sua libertação", acrescentou. A BBC havia dito na semana passada que Abbas declarara ter provas de que Johnston continuava vivo. O e-mail enviado no domingo afirmava que o jornalista fora morto, porque as autoridades palestinas e britânicas não haviam conseguido convencer Israel a libertar presos palestinos. Mas essa exigência não havia sido feita publicamente desde o desaparecimento de Johnston, um dos poucos jornalistas ocidentais radicados em Gaza. Erekat também disse desconhecer qualquer exigência relativa ao correspondente seqüestrado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.