Abbas e Mashaal se reúnem na Síria para discutir governo

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, e o chefe do escritório político do Hamas, Khaled Mashaal, reuniram-se finalmente neste domingo em Damasco, o queparecia difícil devido às grandes divergências, mas que foi conseguido através da intensa mediação da Síria. Fontes do Hamas na Síria disseram que a reunião, que aconteceu na presença das delegações de ambos os líderes, esteve centrada na formação de um governo de união nacional, mas ainda não foi anunciado nenhum resultado desses contatos. As fontes, que não quiseram ser identificadas, afirmaram que a reunião pôde acontecer graças à mediação "séria e ativa" do governo de Damasco. Domingo foi um dia de tensas negociações para reunir os dois líderes. O vice-presidente sírio, Farouk al-Shara, manteve reuniões separadas com Abbas e Mashaal, com o objetivo de tentar superar as diferenças entre ambos e lançar as conversas bilaterais, que estavamprevistas para sábado, mas que foram canceladas. Os dois líderes devem manter outra reunião sem a presença das delegações, e depois darão uma entrevista coletiva conjunta, afirmaram fontes sírias. Abbas chegou no sábado a Damasco em uma visita que, apesar de não ter sido anunciado oficialmente, tinha como um de seus principais objetivos reunir-se com o dirigente do Hamas, a fim de tentar conseguir um acordo para um Executivo palestino de coalizãoNacional. No entanto, seis horas após sua chegada a Damasco e apesar de várias fontes palestinas terem afirmado que a reunião seria no sábado, Abbas só tinha se reunido com o presidente sírio, Basharal-Assad. Encontro ImpossívelFontes governamentais sírias que não quiseram ser identificadas reconheceram que a reunião entre os dois líderes parecia cada vez mais improvável, devido às grandes diferenças entre os dois, principalmente em relação à formação de um governo de união nacionale à delimitação das bolsas do gabinete. Apesar de finalmente as negociações entre os dois líderes palestinos terem começado, fontes diplomáticas sírias disseram que esta reunião não significa que tenham desaparecido as tensões entre o movimento Fatah, dirigido por Abbas, e o Hamas, e recomendaram não esperar muito do encontro. O Fatah e o Hamas estão envolvidos há meses em negociações para formar um governo de união nacional, que até o momento estão estagnadas devido à disputa sobre quem controlará os órgãos de segurança - Abbas ou o governo -, e se Hamas deve ou não reconhecero Estado de Israel. Ao mesmo tempo, os dois movimentos protagonizaram nos últimos meses confrontos armados nas ruas palestinas, que já deixaram 62 mortos. O governo sírio, como anfitrião do Hamas e de outros grupos radicais palestinos, exerce uma considerável influência sobre eles, como foi observado durante todo o dia em seus intensos contatos para conseguir reunir Abbas e Mashaal. Caso não seja alcançado um acordo para formar um governo de união nacional, Abbas ameaçou convocar eleições antecipadas. O presidente da ANP tentou nos últimos meses - sem resultados - constituir um governo de unidade para poder cessar o bloqueio econômico imposto pela comunidade internacional liderada pelos EUA epela UE ao governo do Hamas. Estes países exigem que o Hamas reconheça o Estado de Israel, que renuncie à violência e que respeite os acordos assinados no passado entre israelenses e palestinos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.