Abbas espera que Governo israelense estabeleça negociações

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, disse nesta segunda-feira que espera que o novo Governo de Israel estabeleça negociações com os palestinos, ao iniciar suas conversas com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, em Sochi, balneário russo no Mar Negro."Esperamos que o novo Governo israelense estabeleça conversas conosco, pois somos seu interlocutor e acreditamos na solução pacífica", disse Abbas, citado pela agência oficial russa Itar-Tass.O líder palestino afirmou que viajou à Rússia com o propósito de realizar consultas sobre "como iniciar o processo político, o que é muito importante depois da formação do novo Governo de Israel"."O único caminho são as negociações que conduzam à solução do conflito entre palestinos e israelenses mediante uma solução que satisfaça ambas as partes", ressaltou Abbas.O chefe do Kremlin disse que conhece os esforços do presidente da ANP para "normalizar a situação nos territórios palestinos"."Moscou sempre foi um amigo fiel do povo palestino", afirmou Putin, que acrescentou que as conversas em Sochi são uma oportunidade para analisar "os problemas que atingem a ANP e as soluções das quais a Rússia poderia participar".Apoio russoAbbas, que busca apoios para fazer frente à suspensão das ajudas diretas dos EUA e da União Européia (UE) após o Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) assumir o Governo palestino, indicou que a ANP "vive momentos muito complexos, críticos" e agradeceu o apoio da Rússia.Putin, que convidou o Hamas a fazer consultas em Moscou em março, apesar da rejeição de Israel e dos Estados Unidos, se opôs desde o primeiro momento a suspender as ajudas econômicas à ANP.A Rússia transferiu US$ 10 milhões à ANP em 4 de maio e até agora foi o único país integrante do Quarteto de Madri, o grupo mediador que também inclui os Estados Unidos, a UE e a ONU, que concedeu ajuda econômica aos palestinos desde a chegada do Hamas ao poder.Ao contrário de outros membros do Quarteto, Moscou não considera o Hamas uma organização terrorista, apesar de entre os objetivos do Hamas esteja o desaparecimento do Estado israelense, fundado em 1948.O Kremlin, que insiste em que o Hamas chegou a poder através de eleições democráticas, considera vital impedir o afundamento da ANP, cujas necessidades urgentes superariam US$ 1,3 bilhão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.